por Vinicius Carlos Vieira em 08 de Julho de 2011

Tempo de CrescerDo mesmo modo que os grandes estúdios acabam se corroendo dentro de suas próprias expectativas e assuntos, em Hollywood quem é pequeno também não perde a chance de chafurdar nas mesmas coisas vez ou outra. “Tempo de Crescer” não foge disso, nem tenta na verdade, mas também, por sorte, não acaba sendo um desastre.

Nele, como em milhões de outros filmes independentes, o personagem central percorre essa estrada fria enquanto os créditos iniciais dão as caras, mais ainda, regado por alguma banda cool e moderna, que prepara o terreno para essa história de superação dentro de uma cidade minúscula qualquer do norte dos Estados Unidos.

Aqui, Jeff Daniels é um escritor em busca de inspiração para seu segundo livro, ainda que o primeiro tenha sido um enorme fracasso. É nesse lugarzinho simpático e gelado que ele conhece uma garota muito mais nova vivida por Emma Stone e acabam vendo crescer essa amizade que ajuda os dois a seguir em frente sem que o passado os puxe para trás.

O diferencial de “Tempo de Crescer” é que ele não deixa de lado esse esforço em tentar ser diferente, o que já é válido por si só, e é representado por esse amigo imaginário do escritor, vivido por um Ryan Reynolds trajado como o super-herói Capitão Excelente, que na verdade soa como uma voz interior desse homem inseguro e cheio de problemas. Alguém que tenta lhe dizer o que fazer, mas quase nunca parece ser ouvido, já que na verdade, sua presença ali é quase um modo de não viver sozinho nesse mudo que lhe cerca.

É essa dissociação do mundo que faz com que os dois personagens se cruzem nessa solidão, já que ela, traumatizada por uma morte na família, parece vagar de modo descartável tanto para o namorado quanto em qualquer multidão.

Infelizmente, “Tempo de Crescer”Tempo de Crescer demora um pouco para decidir o ritmo, e o alvo que pretende acertar, se na simultaneidade das situações dos dois ou simplesmente no modo como ela entra na vida dele. O resultado então acaba desequilibrando por, justamente, procurar uma solução muito contundente para ela, mesmo que todo resto do tempo o centro de tudo parece ser muito mais ele, seu casamento despedaçado, sua carência emocional e sua sinceridade.

Por outro lado acerta ao optar por ser essa espécie de “pseudo comédia” (já que o riso não parece ser o alvo, mas sim o clima) despretensiosa, que convive com um lado triste e delicado de ambos personagens e não tem medo de encarar essa faceta trágica dessas personalidades esfaceladas que acabam conseguindo se remontarem apenas quando percebem que as peças que faltam em seus quebra-cabeças talvez estejam no outro.

Com uma dupla de protagonistas que se esforça para serem simpáticos, “Tempo de Crescer”, talvez até acabe sendo pouco sobre crescer, mas, diferente disso, acaba sendo muito mais sobre encontrar forças para encarar o mundo à sua frente e tentar deixar um legado. Não ser esquecido por ao menos uma pessoa que seja. Um filme independente daqueles aficionados por um violão melancólico no fundo e a certeza de que para ser um filme feliz nem sempre é preciso ter um final, propriamente dito, feliz.


Paper Man (EUA, 2009), escrito e dirigido por Kieran e Michele Mulroney, com Lisa Kudrow, Jeff Daniels, Ryan Reynolds, Emma Stone e Kieran Culkin .


Outros artigos interessantes:

Uma resposta

  1. Lana

    Adoro os trabalhos do excelente ator Jeff Daniels !!! Gostei de saber de uma nova série que ele estará estreiando com diálogos rápidos e geniais. O elenco de The Newsroom conta com magníficos atores. Mal posso esperar para assistir.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.