Despedida em Grande Estilo não conta com momentos particularmente memoráveis ou com as piadas mais originais, mas o talento do trio central e o carinho com que o longa os acompanha fazem desta uma produção carismática e divertida. Assim, acompanhar o desenrolar do inesperado plano dos amigos — e, é claro, torcer para que dê certo — torna-se uma experiência envolvente.

Joe (Michael Caine), Willie (Morgan Freeman) e Albert (Alan Arkin), amigos de longa data, acabam de receber a notícia de seu plano de pensão será extinto, pois a empresa empregadora está prestes a transferir seus negócios para o Vietnã. Desesperado diante da possibilidade de perder a casa em que mora com a filha (Maria Dizzia) e a neta (Joey King), Joe descobre uma possível solução em algo que presenciou alguns dias antes: um assalto a seu banco, em que os assaltantes roubaram apenas dinheiro da instituição e saíram livres, pois a polícia não foi capaz de encontrá-los.

Então… e se Joe, Willie e Albert também assaltassem um banco? O mesmo banco, aliás, que será responsável por utilizar o dinheiro destinado às pensões para quitar dívidas da empresa. Portanto, nada mais justo do que os três retomarem o que é deles por direito, não é? Eles não querem ficar milionários, mas apenas roubar o dinheiro equivalente às pensões que eles receberiam durante seus anos restantes de vida. O desejo é manter seu estilo de vida, pacato e simples, mas confortável, sem precisar se preocupar sobre se terão comida na mesa ou um teto sobre suas cabeças (e as de sua família, no caso de Joe).

Assim, a maior parte de Despedida em Grande Estilo é dedicada à preparação do trio para cometer o assalto, o que inclui fazer um “assalto teste” no supermercado local. Os amigos são inteligentes e dedicados, mas, obviamente, sua falta de experiência (e de agilidade) prejudica bastante. Dessa maneira, muita coisa dá errado antes — e durante — o grande dia.

Nesse sentido, o diretor Zach Braff e o roteirista Theodore Melfi acertam ao não exagerar o tom da comédia, deixando que o talentoso grupo central comande a narrativa. Afinal, Caine, Freeman e Arkin são indiscutivelmente o destaque da produção, que não precisa fazer muito mais do que deixar os três fazerem seu trabalho. A química entre eles também é impecável; Joe, Willie e Albert demonstram uns pelos outros o carinho nascido de quem se conhece do avesso, o que, é claro, carrega consigo sua própria dose de piadas e provocações. Eles também são figuras interessantes por si só, especialmente Albert, que recebe os melhores diálogos graças a seu cinismo.

Despedida em Grande Estilo Critica

Por outro lado, Braff pouco se destaca como diretor. O filme transcorre com agilidade, mas é difícil pensar que Despedida em Grande Estilo não seria elevado se comandado por Melfi, que se saiu bem melhor do que o colega como diretor de Um Santo Vizinho e Estrelas Além do Tempo — que dividem com este filme a forma sincera e carinhosa com que acompanha seus personagens e a situação que os cerca. A trilha sonora também se mostra incômoda com sua insistência em ditar que tipo de cena (“engraçada”, “tocante”, “crítica”, etc.) estamos acompanhando a praticamente todo momento.

Kaine, Freeman e Arkin têm o comando absoluto sobre a trama, mas os personagens secundários também têm seus momentos sob os holofotes. Joe e sua neta possuem um relacionamento adorável, assim como Willie com sua filha e neta, que moram em outro estado. Mas, em termos de relacionamentos, quem se destaca é Albert, que ganha uma subtrama romântica com Ann-Margret. A paquera e o início de namoro dos dois são tratados de forma perfeitamente natural, mostrando com competência que atração, sexo e romance continuam existindo na terceira idade. Já para planejar o assalto, o trio conta com a ajuda de Jesus (John Ortiz), personagem carismático e que rende uma reviravolta divertida.

Baseado em um filme homônimo de 1979, Despedida em Grande Estilo traz a história para o atual momento turbulento dos Estados Unidos, especialmente no que diz respeito à forma inumana com que as empresas e instituições financeiras tratam seus empregados. Criticando também a incompetência da polícia e do FBI (o segurança do supermercado, vivido por Kenan Thompson, se mostra mais eficiente) e a crueldade do sistema de saúde norte-americano, o longa também traz um patético funcionário do banco (Josh Pais) para personificar tudo isso. Quanto aos demais empregados da instituição, é interessante perceber como suas reações ao segundo assalto se modificam com base na experiência do roubo anterior, e como isso afeta o plano dos protagonistas.

Assim, Despedida em Grande Estilo traz assuntos relevantes tratado de maneira leve, divertida e honesta. Mas são mesmo Kaine, Freeman e Arkin quem fazem o filme valer a pena.


“Going in Style” (EUA, 2017), escrito por Theodore Melfi, dirigido por Zach Braff, com Michael Caine, Morgan Freeman, Alan Arkin, Ann-Margret, Christopher Lloyd, Matt Dillon, Joey King, John Ortiz, Maria Dizzia, Peter Serafinowicz, Siobhan Fallon Hoganl, Josh Pais e Kenan Thompson.


Trailer – Despedida em Grande Estilo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.