Tudo por Justiça | Um obra que não deveria ser ignorada


Tudo por Justiça narra a história de Russell Baze (Christian Bale), um jovem que trabalha duramente na fábrica de aço da pequena cidade onde mora. Seu irmão mais novo, Rodney (Casey Aflleck), é um ex-militar que vive de bicos e cada vez mais se afunda em dívidas devido a seu vício em corridas de cavalos. Quando Russell fica sabendo, no meio da noite, que seu irmão está com sérios problemas, o jovem vai até o agiota e dono do bar local, John Petty (Willem Dafoe), a quem Rodney deve uma grande soma em dinheiro, e promete-lhe pagar a dívida do irmão assim que possível. Porém, no caminho de casa, embriagado, Russell bate em um carro, matando seus ocupantes e é então prontamente preso. Durante seu tempo na prisão, seu pai vem a sucumbir ao câncer e sua namorada o deixa pelo chefe de polícia da cidade. Ao sair, Russell recupera seu emprego na fábrica e pede ao irmão – ainda endividado e pagando o que deve através de lutas ilegais organizadas por Petty – que vá trabalhar com ele, coisa que Rodney recusa imediatamente por desprezar o trabalho que acabou por tirar a vida do pai. Metendo-se em problemas cada vez maiores, Rodney acaba convencendo Petty a agendar uma luta com o traficante de drogas da cidade vizinha e organizador dos torneios ilegais mais lucrativos da região, Harlan DeGroat (Woody Harrelson), para conseguir finalmente saldar sua dívida. A luta termina por trazer resultados mais do que indesejados e Russell precisa novamente ir em busca de ajudar o irmão.

Criando uma narrativa com personagens complexos e marcantes, o diretor Scott Cooper (de Coração Louco), nos faz adentrar dois mundos bastante distintos, o primeiro, o de uma vida pacata em uma cidade interiorana americana, o segundo, o do submundo de drogas e esportes ilegais, onde a justiça não se faz presente. Os dois mundos são construídos não só através dos distintos personagens, mas também de uma fotografia que ressalta as sombras nas cenas no submundo do crime, enquanto se utiliza de grande claridade nas tomadas vividas na pacata cidade.

Tematicamente, o irmão de Russell é a ligação entre os dois cenários. Não apenas o jovem é o ponto de ligação da narrativa, como também, ele próprio simboliza o ponto de conexão entre esses dois mundos, ao se mostrar como uma pessoa que não se enquadra mais naquela vida comum após presenciar os horrores da guerra, mas, ainda que se sinta próximo ao terror do mundo criminoso de DeGroat, também não se sente como se pertencesse aquele grupo. Assim, ao apresentar uma atitude totalmente autodestrutiva, Rodney tem em seu irmão sua única esperança de endireitar a vida e retornar ao mundo correto.

Por usa vez, Russell vê sua vida feliz sair completamente dos trilhos graças ao amor que tem pelo irmão e à busca constante por fazê-lo procurar uma vida melhor. E a construção do personagem como uma boa pessoa só nos faz sentir ainda pior ao vê-lo sofrer as consequências do acaso (com o acidente de carro e com o irmão sempre se metendo em problemas).

Nisso, o título original do longa, Fora da Fornalha, tem um papel particularmente interessante. Enquanto Rodney foge como o diabo da cruz da fábrica de aço, Russell vê nela o símbolo de uma vida correta. E o filme funciona como um embate entre os irmãos em que um tenta convencer o outro a sair/entrar na fornalha.

Tudo por Justiça Filme

Junto de um elenco soberbo, Christian Bale mostra, mais uma vez, ser um dos melhores atores de sua geração. Já o subestimado Casey Affleck entrega mais um ótimo trabalho, enquanto os sempre excelentes Woody Harrelson e Willem Dafoe fazem sensacionais pontas. Forest Whitaker, no entanto, tem pouco tempo para construir melhor seu personagem, coisa que tornaria o filme ainda mais interessante, enquanto Zoe Saldana, no papel da ex-namorada de Russell, se mostra como o elo mais fraco entre os atores, não conseguindo trazer à personagem o peso necessário que o filme pede.

Acompanhado por uma envolvente trilha e fazendo uso dela para construir algumas elegantes transições de cena, o filme apresenta uma riqueza de detalhes merecedora de destaque. Repare como o personagem de Bale, após o jantar, deixa o prato limpo no início do longa; já mais à frente, quando o irmão desaparece, a mesma cena mostra o ator jogando a comida de fora de um prato praticamente cheio. Uma forma inteligente e eficaz de demonstrar o quanto o sumiço do irmão está mexendo com o personagem.

Por fim, criando belas rimas visuais que realçam o ar artístico do longa, como na passagem em que é feito um paralelo entre a ida à caça de Russell e a ida para uma luta clandestina de seu irmão, Scott Cooper consegue conceber uma obra que é simultaneamente excitante como thriller e rebuscada como filme de arte.

Ainda que o filme tenha sido ignorado pelas principais premiações – uma surpresa evidenciada pelo adiamento do lançamento do filme no Brasil e em boa parte do mundo, coisa que indica claramente que a distribuidora internacional esperava por algumas indicações –, Tudo por Justiça é uma obra que é certamente merecedora de prêmios e o fato de eles não terem vindo, não diminui de forma alguma o valor deste grande filme.


Out of the Furnace  (2013), escrito por Brad Ingelsby e Scott Cooper, dirigido por Scott Cooper, com Christian Bale, Casey Aflleck, Woody Harrelson, Zoe Saldana, Forest Whitaker e Willem Dafoe.


Trailer do filme Tudo por Justiça

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.