Santuário FIlme

Santuário


Caro Sr. Cameron,

Antes de tudo, gostaria de lhe falar que sempre fui um grande fã seu e que Exterminador do Futuro foi, sem sombra de dúvida, um dos filmes que me fizeram ser o apaixonado por cinema que eu sou hoje (na época, ainda bem pequeno de verdade, mais até do que a censura do filme me permitiria ser para estar vendo, lembro de pensar como é que aquele filme poderia ser tão corajoso ao ponto de dar o papel mais legal para o vilão!). Depois disso, sempre acompanhei sua carreira, gostei até de seu Segredo do Abismo, com aquele alienígena em forma de água, e é exatamente esse elemento que deixa nosso planeta azul nos globos de plástico que eu queria discutir com o senhor: Queria que você me explicasse melhor o Santuário.

Isso, pois outro dia escutei um rapaz no cinema falando que ia ver ¿o filme novo do James Cameron¿, e ele estava se referindo ao O Santuário, pois logo depois o citou (muito embora eu saiba que o senhor não é diretor, mas como seu nome aparece com um certo destaque no cartaz, acho que o filme deve ser seu mesmo)… mas enfim, minha dúvida é sobre o final do filme (ou, na verdade o começo), nele, aparece um lembrete de que aquilo tudo é baseado em uma história real, então, com certeza um deles (eu digo, dos personagens) tem de ter sobrevivido, correto? Mas então por que vocês começam o filme mostrando aquele rapaz quase morto na água abrindo o olho? Por que vocês não fingiram que não sabiam quem iria sobreviver para deixar o filme um pouco mais excitante?

Mais ainda quando, logo de cara, a primeira pessoa a aparecer é justamente esse mesmo rapaz (que é da Austrália e eu nunca o tinha visto em nenhum outro filme), o que deixa claro que então ele é o protagonista (viu como eu vejo um monte de filmes e até já percebo esses datalhes!). Na verdade, é até legal que ele seja o herói, já que é jovem, e também tem aquele problema com o pai, que está lá embaixo na tal caverna (já que todos que esbarram com o menino falam a ele que o pai esta furioso com algo relacionado a uns cilindros reservas), o que faz todo mundo conhecer ele melhor ainda.

Aproveitando que toquei nesse assunto, gostaria de saber também por que eles estão fazendo aquilo tudo? Eu entendi que o cara rico (esse eu conheço, fez o Senhor Fantástico no Quarteto Fantástico!), com muito dinheiro mesmo, e resolve pagar para esse especialista em explorar cavernas (o pai do menino) e sua equipe, para descobrirem a ligação desse lugar com o mar, mas para que? O que ele ganha com isso? Aqui vai uma dica para seu próximo filme, quando for fazer isso: arrume uma desculpa melhor do que ¿ver aqueles lugares pela primeira vez¿.

Mesmo que ela seja verdade tentem dar uma mentida então, já que fica muito difícil não torcer contra todos eles, como se fosse impossível achar que eles estão fazendo alguma coisa de bom para o mundo se metendo naqueles buracos. Uma vez uma professora minha me falou que toda história tem que ter uma motivação maior para acontecer, e eu acho que vocês se esqueceram dela logo no começo.

Eu entendi que depois que a chuva começa e eles têm que fugir antes que a caverna inunde a motivação deles é sobreviver, mas antes disso, dá vontade até de ir ao banheiro e voltar só quando a ação começar. Nem com ¿aquela moça tendo aquele problema¿ (para não estragar a surpresa de ninguém!) dá para se empolgar muito, já que ela própria tinha deixado o cilindro do outro lado (e quando isso acontece, todo mundo já sabe!). E já que estamos nesse assunto, eu também não entendi por que a outra moça (aquela que chega de helicóptero com o ricaço) fica dando dicas sobre o que vai acontecer? Ela fala que não tem como acontecer nada, depois fala que não vai usar a roupa de mergulho, e mais um monte de coisas… ela podia mesmo é ficar calada, já que nesses filmes nunca é bom ficar pensando coisa ruim. Do mesmo jeito que as pessoas lá em cima, que ficam falando em tempestade o tempo inteiro (até ela chegar!), mas tudo bem, talvez isso tudo seja para não obrigar ninguém no cinema a ficar adivinhando muita coisa, para não cansar ninguém.

Uma coisa que eu achei legal também, mesmo tendo em um monte de outros filmes, é esse negócio de juntar um monte de gente para tentar sobreviver como um grupo, assim eles podem ir morrendo pelo caminho, só não entendi por que vocês não tentaram fazer isso de um modo mais bacana. Mais uma vez, eu sei que é ¿real¿, mas sempre se pode dar uma incrementada nisso, não é? Talvez não precisasse nem fazer como aquele Abismo do Medo (e só para deixar marcado aqui, esse sim é um filmão ein?! Principalmente no jeito que o moço que dirigiu fica fingindo ser um filme sobre uma caverna, com aquelas moças tendo que sobreviver, mas depois muda tudo…), mas pelo menos dar uma mentidinha aqui e outra ali. Sei lá, um pouco mais de heroísmo, de sacrifício, um pouco mais de emoção. É, mas também isso seria bem difícil, já que desde o começo todo mundo já tem certeza de quem vai sobreviver para contar a história (continuo não entendendo por que vocês deixaram tanto na cara lá no começo).

Para finalizar, queria me desculpar por em alguns momentos poder ter me referido ao senhor como ¿você¿ (e também por ter feito um monte de perguntas), mas saiba que foi com o maior respeito. E também queria lhe falar o quanto é legal ver esses filmes em três dimensões com aqueles óculos, e que nesse caso Santuário até tem uns momentos bem interessantes, mas fica parecendo, no final das contas, que tudo estava normal demais, sem nem aquelas profundidade que o senhor conseguiu fazer no ¿Avatar¿ (onde tinha um monte de camadas e era super legal e bonito) e muito menos aquelas brincadeiras que o Piranhas fez há pouco tempo atrás (com as coisas voando na nossa cara, que, dependendo do momento, também é super divertido!).

Ah, e uma outra coisa, o senhor também poderia diminuir um pouco o aluguel dessas suas câmeras, já que parece que eles só tinham dinheiro para isso e acabaram não conseguindo muito mais para contratar um elenco melhorzinho e nem para escrever um roteiro que fizesse mais sentido e fosse um pouco mais sutil (na verdade, isso quem me falou foi um amigo meu que é crítico de cinema desse site aqui, mas estou aproveitando a oportunidade para falar isso para você.)

Eu sei que o senhor não é responsável por tudo isso que eu falei, que tem o diretor, o moço que escreve e mais um monte de gente envolvida que poderia ter melhorado isso tudo, mas como seu nome aparece no cartaz, talvez você possa fazer alguma diferença, quem sabe.

Atenciosamente,

Alguma criança qualquer que entrou para ver Santuário pensando que ia se divertir como em Avatar


Sanctum (EUA/Aus, 2011), escrito por John Garvin e Andrew Wright, dirigido por Alister Grierson, com Richard Roxburgh, Ioan Gruffudd, Rhys Wakefield, Alice Parkinson e Dan Wyllie


Assista o trailer do filme Santuário