O Preço do Amanhã

 

O Preço do Amanhã Filme

Para começo de conversa, de boas intenções, O Preço do Amanhã e o inferno estão cheios, e nem por isso, talvez, passar por ele seja a melhor das experiências (em ambos os casos). Diante de uma premissa interessante, o novo filme de Andrew Niccol então, só toma o caminho errado.

Nele, em um futuro (distante ou não) todos habitantes do Planeta Terra sofreram uma espécie de mudança genética que lhes permite crescer até os 25 anos depois se manter com essa aparência física pelo resto da vida, ainda que esse tempo que sobre seja determinado por um relógio integrado ao seu braço esquerdo que serve ainda como moeda de troca. Como se, literalmente, tempo fosse dinheiro.

De modo acertado e coerente, Niccol (que também escreveu o roteiro), conta então a história desse rapaz, vivido por Justin Timberlake (mais e mais à vontade em cada filme, se permitindo até uma atuação do piloto-automático), que mora nessa espécie de parte baixa da cidade, onde ninguém tem “tempo” (e não reclame dos trocadilhos, já que o filme parece se esforçar para usar todos), precisando trabalhar pelo próximo dia de vida. E é em um desses barzinhos de periferia que ele acaba esbarrando com um ricaço que lhe dá um século antes de se matar, o que não lhe impede de ter sua mãe morrendo em seus braços e jurar vingança contra essa (alta) sociedade.

Talvez até de modo escapista, já que só resvala nos verdadeiros problemas dessa sociedade dividida em castas onde os ricos “consomem” a vida dos pobres, O Preço do Amanhã falha então, de modo magistral, ao ficar, durante quase metade de sua trama, ensaiando esse filme de ação, o que talvez acabe nem casando muito bem com a ideia inicial. Bem verdade, O Preço do Amanhãcomeça muito mais a fim de repetir a fórmula do primeiro filme de Niccol (o interessante Gattaca) do que se tornar uma fuga à La A Ilha.

Quando O Preço do Amanhã se decide em ser um filme de ação, decepciona completamente quem entrou no cinema à procura dessa adrenalina e chateia quem estava se divertido com esse lado ficção científica marxista. E pior, enquanto apóia sua trama nesse segundo lado não perde a mão e funciona perfeitamente, quando resolve mudar o tom, acaba mostrando uma certa dificuldade visual e narrativa em organizar essas sequências de ação.

Além de não empolgarem nem um momento sequer, ainda se mostram pontuais demais dentro da trama, o que deixa O Preço do Amanhã monótono, já que não deixa espaço, depois que se inicia essa “corrida contra o tempo”, para que a trama continue se desenvolvendo, mas apenas se arrastando de um lugar para outro.

O estranho disso é que Niccol já se mostrou, até mais de uma vez, que é capaz de se manter nesse tipo de trama onde o suspense e o desenvolvimento de seus personagens, empurram o filme até o final, como fez em O Senhor das Armas (sem citar Gattaca, mais uma vez).

O Preço do Amanhã Filme

Mesmo como o perigo de desgastar mais ainda todo e qualquer trocadilho com a relação tempo/dinheiro, caso rumasse para esse suspense pessimista, O Preço do Amanhã, definitivamente perderia os espectadores à procura de adrenalina, mas ganharia os mesmo fãs que até hoje citam Gattaca como uma de suas ficções preferidas.

Mas, ao escolher andar por essa corda bamba intelectual/ação acaba tornando todo o lado divertido desse futuro em uma pseudo-babaquice que está ali para preencher o espaço entre as sequências de ação. Mais ainda, acaba se mostrando apressado e desajeitado (preguiçoso até) para resolver a maioria dos conflitos do filme, como o amigo morto por beber e a facilidade com que eles resolvem o problema do pai da protagonista (Amanda Seyfried, mais uma vez inodora, incolor e insípida), tudo isso, já que precisam voltar a “dar no pé” para mais uma sequência de ação.

Pior ainda, diante de uma direção de arte tremendamente interessante e cheia de personalidade Niccol só permite que seu O Preço do Amanhã seja, no final das contas, uma espécie de Bonnie e Clyde (“roubando o que já foi roubado”) fantasiado de Alphaville (os prédios frios, os carros e todo esse toque retro), mas dando um ponta pé em toda essa sutileza e se deixando embarcar em um filme de ação monótono.


O Preço do AmanhãIn Time (EUA, 2011), escrito e dirigido por Andrew Niccol com Cillian Murphy, Justin Timberlake, Amanda Seyfried, Johnny Galecki, Olivia Wilde e Vincent Kartheiser


38 Comments

  1. Vinícius Carlos, suas críticas foram realmente boas. Porém, deve-se salientar que o filme abrange metaforicamente alguns pontos em demasia interessantes, principalmente em vista do atual cenário da geopolítica mundial. Desigualdade, capitalismo parasitário, sociedade de consumo, miséria, etc. Infelizmente, esses temas não sofreram a abordagem exata, deixando muito a desejar. Além do mais houve passagens que se tornaram cômicas, por assim dizer, em relação às cenas, como já citado acima por Roberto Carlos, do acidente com o carro e da luta para pegar o tempo. Enfim, In time foi um filme que tinha potencial para ser bom, porém quebrou expectativas.

  2. muito obrigado Zico… o feedback que eu procuro é, na verdade, esse que você acabou de me proporcionar.

  3. Vinicius, não se iluda com o feedback do seu blog. Aparentemente, o maior problema dele é a frequencia que ele alcança. Espectadores exclusivamente de blockbusters que se contentam com qualquer cena de tiro ou perseguição de carro… Sua crítica foi bastante coerente.
    Enfim, o filme me pareceu extremamente promissor até os 40 ou 50 primeiros minutos, mas não foi explorado como poderia a partir daí. A ideia original tinha potencial para tornar a obra um daqueles “filmes que você não pode deixar de assistir”. Não pecou tanto pela atuação dos protagonistas, mas pelo desenvolvimento do enredo.

    Só um detalhe que reparei nos comentários: sobre a cena do capotamento do carro. Na minha percepção, foi um capotamento de um carro do futuro, com sistema de segurança que lhe dá mais estabilidade ou qualquer coisa que o valha, não permitindo assim, os capotamentos que estamos acostumados a ver.

  4. não posso deixar de concordar com algumas coisas q vc disse. Mas na minha opinião o filme foi excelente, gostei da historia, dos personagens e do clímax. O filme retrata sobre a realidade em que vivemos, o tempo retratado no filme não é nada a mais que uma alusão sobre o dinheiro. E se formos considerar com olhar um pouco mais critico, podemos ver que o filme é uma ótima historia e q isso ocorre quase todos os dias.

  5. primeiro eu achei que você fosse uma pessoa controlada e interessada, Kenya, logo depois parece desesperada para me ofender por que escrevi uma palavra errada… parabéns, em um segundo você caiu demais no pouco conceito que eu tinha formado… mas enfim, aqui a crítica do Avatar – https://www.cinemaqui.com.br/criticas-de-filmes/avatar

    e volte sempre…

  6. Outra coisa , amigo, com você ousa corrigir alguém em português, com o seu “além de não empolgarem nem um momento se quer…” , querido nesta frase, se fala ou escreve sequer…. volta para os bancos da escola antes de querer brincar de crítico…

  7. Olá, vinícius,
    Não sou cinéfila, não, nem de longe, mas também achei que a sua crítica foi bem exagerada, se é que me entende. Tenho, em casa, uma irmã que vê tudo o que se passa , e uma filha adolescente que a acompanha. Por isso acabei assistindo, sem querer. Confesso que esse tipo de filme não me atrai. Não gosto de ficção, sabe? Mas achei interessante e até bem bolado o filme. Algumas cenas exageradas, tudo bem fora da realidade. Quem procura este tipo de flme para ver, como em Avatar, (aliás, fiquei curiosa, qual seria a sua crítica em Avatar?) , certamente espera este tipo de coisa mesmo .Aquela velha premissa do “bom vencendo o mal” tudo politicamente correto. O que você tem contra isso? Cada um na sua, cada um no seu quadrado, entendeu?
    Definitivamente, você foi muito cruel e exagerado nessa crítica, enfim, direito seu não é mesmo? Liberdade de expressão, mas que foi desmedido, exacerbado, ah, isso foi… rsrsrsrs

  8. vi o filme. entendi k devemos dar mas volor á vida. queria ter mais tempo nas mãos do as horas que tenho, pra não brigar mas com coisas banais, curti mas á vida, dizer 24 horas te amo. etc

  9. Crítica Perfeita! O filmezinho ruim!!!!! Deu sensação de vergonha alheia quando assisti com minha esposa! Se eu for comentar aqui a quantidade de cenas mal elaboradas chegando a ser ridículas que esse filme projetou, ia dá uma bíblia!!!! Resumindo, ideia: boa (se bem que uma sociedade que tivesse como moeda o tempo de vida seria totalmente utópica. Uma coisa é vc não ter dinheiro, outra é saber que vc vai pro beleléu em duas horas e ficar esperando o tempo passar sem tomar uma atitude. Ia ser um pandemônio, impossível de se imaginar.), direção: a pior que ví nos últimos 20 anos, atuações: meia boca. Bonnie e Clyde mais tosco do cinema! Quem defende uma crítica positiva a esse filme não tem noção de uma boa direção de cinema!

  10. eu estou num trabalho do colégio sobre textos críticos !
    acharam legal esse daí ?
    ou se não me dêem uma luz !
    facebook.com/judepaula0 ou meu email que é [email protected]
    agradeço desde já !

  11. Vinicius, achei sua crítica coerente em alguns pontos, mas injusta em outros. Injusta principalmente em relação à sua opinião sobre o ritmo do filme e a profundidade da crítica que ele faz a nossa sociedade. Penso ser de certo modo preconceito afirmar que um filme de “ação” não possa ter embutido uma análise crítica sobre qualquer coisa. A “ficção científica marxista” sobre a qual cometamos aqui, concordo, deixou alguns problemas sem solução durante o desenrolar do filme mas, para além de questões estéticas ou técnicas que procuro ignorar agora, em essência a trama trouxe a crítica que quis fazer do início ao fim. Talvez o diretor tenha preferido propor um ritmo incomum a um tipo de tema que geralmente tem um ritmo mais lento. Entretanto, gosto de pensar que para a arte não deve haver limites normativos e técnicos; o que importa em primeiro lugar é o que ela propõe e como vai tratar do que propôs. Questões técnicas para mim vem em segunda plano. Outra crítica (injusta do meu porto de vista) que você fez foi em relação a atuação de Amanda: achei que ela passou para a personagem o que a personagem pedia, ou seja, uma mulher “inodora, incolor e insípida”, em vista de sua criação também inodora, incolor e insípida. Mas vamos ao que interessa. O filme nos leva a uma clara analogia ao nosso sistema financeiro atual, isto é, uma analogia ao capital “dinheiro” mesmo. Se trocarmos, no filme, o “capital tempo” pelo “capital dinheiro”, nos deparamos com a nossa própria realidade desumana. Ora, é da contradição do sistema financeiro (seja ele ficcional ou real) que o filme trata: dos pobres e dos ricos ou dos que têm tempo e dos que não têm, portanto da exploração, da desigualdade social e da injustiça. Os imortais no filme são aqueles que detêm os meios de produção do tempo (capital/moeda) e os desvalidos de tempo são os humanos que são todos os dias, horas e minutos explorados pelos primeiros. Perceba que só por meio da exploração do ser humano pelo próprio ser humano se é possível o enriquecimento. Isso parece bem familiar e não-ficcional (ou “ficcio-marxista”), pois o nosso sistema capitalista já é assim e o filme mesmo dá essa informação nas falas dos “agentes do tempo” e dos banqueiros, quando falam claramente sobre o capitalismo darwinista, onde vale a lei da seleção natural, onde os que não têm capital (seja ele dinheiro ou tempo) não têm valor. Sem ser exagerado, quero dizer que o filme é uma crítica ao nosso sistema social, político e econômico e mostra com clareza (excetuando-se o romance inerente aos filmes hollywoodianos) a contradição capitalista e a exploração dos trabalhadores proletarizados pelos burgueses detentores dos meios de produção e do controle social.

  12. Valmir César de Miranda 28/03/2012 at 12:14 –
    Your comment is awaiting moderation.
    Adorei o filme principalmente os carros lindos grandes , é surpreendente a teoria do crescimento exagerado da raça humana e malthus que no final do s anos 80 criou a teoria que teria uma vacina para matar os velhos acima de 65 anos de idade igual ao filme claro o filme é melhor e muito bem feito!, [email protected],[email protected],[email protected], facebook, [email protected], face [email protected]

  13. Adorei o filme principalmente os carros lindos grandes , é surpreendente a teoria do crescimento exagerado da raça humana e malthus que no final do s anos 80 criou a teoria que teria uma vacina para matar os velhos acima de 65 anos de idade igual ao filme claro o filme é melhor e muito bem feito!

  14. Bhá… eu achei esse filme fantástico, muito bommm! Uma mistura de ficção científica com ação e um romancezinho… adorooo 😀
    NÃO CONCORDO coma a sua crítica, quer saber… faz melhor!

  15. Acabei de ver o filme e vim ler criticas na internet e encontrei a sua. Não posso deixar de concordar totalmente, encurtando a conversa: filme tedioso.

  16. Que pessima sua critica!! O fime é excelente com uma historia envolvente do começo ao fim.O justin tem melhorado a cada dia e a Amanda se destacou mais uma vez… pisou na bola!

  17. Um dos piores filmes que eu vi ultimamente, exatamente como o amigo descreveu. Enquanto tava na ficção cientifica tava dando pra aguentar, dai o filme se transforma em pura e simples ação, e diga-se de passagem, das piores.
    Em nenhum momento o filme empolga, pelo contrário, dialogos péssimos, atuações pifias, e totalmente sem conteudo do meio pra frente. Resumindo, perda de tempo total, não recomendo nem ao meu pior inimigo… filme fraco demais.

  18. Acabei de ver o filme e só tenho uma coisa pra falar…
    Quero minha 1h50m de volta!!! paguei um preço muito caro pra ver esse filme!!!
    Esse filme é muito mal feito puts!
    A cena do carro do capotamento foi a pior juntamente com a cena da “Luta”
    Não percam tempo de assistir…
    E Vinicius não fique chateado com os comentarios pró filme, a maioria das pessoas tão assistindo qualquer merda msm. geração colorida não sabe como é ver um bom filme tipo “12 macacos” e “Clube da luta” filmes que sabem fazer algo realmente inovador.

  19. Acabei de ver o filme e só tenho uma coisa pra falar…
    Quero minha 1h50m de volta!!! paguei um preço muito caro pra ver esse filme!!!
    Esse filme é muito mal feito puts!
    A cena do carro do capotamento foi a pior juntamente com a cena da “Luta”
    Não percam tempo de assistir…

  20. Vinicius, primeira vez que leio uma critica sua e sinceramente concordo com cada palavra. Aos que “criticam” a sua crítica vai uma sugestão: “Se não concordam vão a outras sites, a internet é imensa e aposto que Vinicius não precisa da “audiencia” de pessoas que acham um filme desse bom…”
    O filme tem uma premissa muito boa mas que o diretor não soube explorar, sinceramente, o cara ganha um século e perde tudo em menos de 20 minutos de filme….acreditei que faria mais com esses “100 anos”…

  21. Oieeee…..intaum, eu tava lendo sua critica né….aiii sabe o que aconteceu??…Lembrei daquele filme “Garota Infernal” que a “Amanda” fez junto com a Megan Fox…atuação péssima das duas…misericórdiiiaaa…..desculpe se algu´m tiver opinião diferente….mas foi horrivel…as duas muuuito mecanicas..(só no final que a “Amanda” se revolta geral com a situação e daí atua com vontade…….até a Megan que fez diga-se de passagem, nada mais, nada menos do que “TRANSFORMERS”(digno de aplausos) onde a atuação dela foi bem melhor….sem contar que teve a presença de Shia Labeouf (é um ator maravilhoso, que ajudou, pq onde a Megan era “nada vê”, Ele fazia a cena valer a pena)…..
    Voltando ao assunto….hehehehe…..por causa dessa atuação da “Amanda” no “Garota Infernal” desanimei de ver esse filme “O Preço do Amanhã”…..kkkkkkkkkkk…..é que a “Amandinha” até se esforça…mas em alguns filmes ela não se da bem mesmo, tadinha…rsrsrs!!!…..Sobre o Justin…eu gosto do trabalho dele….nos filmes que eu assisti com ele….até que ele me convenceu…..hehehehehehe…..bom intaum é isso…..bejinhosss até mais…..

  22. Vinicius, concordo em muito com a sua critica. Achei muitos erros de continuidade, a trama não se explica. A morte da mãe parece algo que não influenciou em nada nas atitudes do protagonista, e a Amanda parece mudar de atitude em relação a vida sem muito propósito, não convencem. Começou me impressionando, mas mudar para uma ação sem coerência, ação por ação, realmente chateou.
    Mas a Amanda não achei tão desapercebida, muito sexy alias, mas claro que com mais talento teria sido mais marcante.

    Isso aí… Parabens pela iniciativa, não dá para engolirmos qq filme por campanha publicitária apenas, precisa ser consistente!

  23. es um merdas e percebes 0 de cinema . o filme e muito bom . o problema e a tua tentativa falhada de criticar . dedicate ao suicidio depois de uma critica dessas

  24. Esse filme traz uma ótima reflexão. Temáticas como corrupção, preconceito, exploração e o poder que a nata tem são discutidos do jeito que vivemos hoje.

  25. Aliás a cena da morte da mãe do Will, é mal feita ao extremo. A atuação da menina é ruim na corrida e também de Will(Justin) não trazendo o impacto emocional necessário.

  26. Não ligue para os que escreveram em relação a sua crítica. Ela está excelente. Devo salientar duas cenas rídiculas nesse filme: o acidente com o carro e a luta pra pegar o tempo.

  27. se você trabalha em um grande jornal, caro sr. “Esse Blog é uma merda”, então tenho algumas dicas para você : 1) se escreve “Conselho” (com “C” diz respeito a outra coisa) 2) “concerteza” com certeza não se escreve assim 3) tentar dar sentido a sua frase por meio de pontuação ajuda bastante…. mas de qualquer modo, fico agredecido por ter vindo ao meu site….

  28. Tenho certeza que esse filme não foi o melhor do ano mas vindo de uma criança, todas essas críticas ( sim!você so pode ser uma criança BRINCANDO de ser crítico!) sinceramente so tenho um concelho pra lhe dar por favor mude de profissão ! Eu trabalho em um grande jornal e concerteza você não é um crítico vá fazer algo útil com sua vida porque isso não está dando certo…

  29. Realmente, não é nada novo, e precisou de um pouquinho de profundização em alguns lados, mas no geral gostei da atuação dos dois, teve química!
    Nos primeiros minutos quase morri junto com mãe do Justin :(((

  30. Mesmo estilo do ” The Inception”.
    não há de novo… A hitória muda um pouco, mas no final tudo é uma merda só.

  31. resumindo, minha críttica está ruim por que eu achei o trabalho da “Amanda” ruim… valeu Erick, no final das contas isso foi até um elogio… vê se vem mais vezes “críticar” as minhas críticas, é sempre bom uma segunda opinião….

  32. CARA QUE CRITICA PESSIMA A SUA HEIN? E VC AINDA TEM UM BLOG??
    O FILME TEM VARIOS DEFEITOS VOCE SOUBE FALAR (ATE DEMAIS) SOBRE ALGUNS DELES, COMO A MAO PESSADA DO DIRETOR EM RELAÇAO AS CENAS DE AÇÃO E O FATO EM QUERER RESOLVER TUDO DE MODO RAPIDO E FACIL, ISSO REALMENTE PREJUDICOU O FILME EM SI MAS NAO O RESULTADO AO TODO

    MAS OS 30 MINUTOS INICIAIS SÃO MUITO BONS, A TRAMA DO PROTAGONISTA NAO TEM UM ARCO DRAMATICO PROFUNDO, MAS O CARISMA DE JUSTIN SEGUR A AS PONTAS, E OUTRA FALAR QUE AMANDA ESTA INODORA? INSIPIDA? AI AI AI, COM AQUELES OLHOS? AQUELE SORRISO? AQUELE CHARMA? AQUELE AR DE GAROTA RICA, MIMADA, JOVEM E LOUCA PRA UMA AVENTURA?? MELHOR ATUAÇAO DELA QUE JA VI FALA SERIO VC PRECISA REVER SEUS CONCEITOS MEU AMIGO

    … FORA QUE SEUS TERMOS PARA DEFINIR UM FILME COMO RUIM SÃO PESSIMOS APELANDO PARA PALAVRAS “CHULAS” (VIDE pseudo-babaquice)

    O FILME NAO É O MELHOR FILME DO ANO, MAS TEM OTIMAS ATUAÇOES, E NOS TRAS O QUE ANDA EM FALTA NO CINEMA , ENTRETENIMENTO!!

  33. desculpa ai ein Tiago, pensei que eu fosse conseguir enganar a todos… na verdade nem ver o filme eu vi, como você queria que o texto tivesse sentido?

  34. Tá louco, esse filme foi um dos melhores dos últimos tempos. Totalmente sem fundamento esse texto (Razão ornamental)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.