É o Fim

Dependendo principalmente da persona de seus atores para funcionar, É o Fim mostra-se um longa eficiente ao conseguir se equilibrar e não se levar a sério demais, mas o suficiente para construir um filme de verdade, e não apenas uma brincadeira entre É o Fim Posteramigos.

Mesmo assim, fica claro que a oportunidade de alguns dos principais nomes da comédia americana atual (e amigos) trabalharem juntos, falando muitas bobagens e xingamentos no processo, foi uma das motivações deste trabalho. Assim, a trama é facilmente resumida: enquanto Jay Baruchel visita seu antigo amigo Seth Rogen em Los Angeles e após os dois, para desgosto de Baruchel, irem a uma festa na nova casa de James Franco, o apocalipse bíblico tem lugar e, de todos os convidados, sobram Baruchel, Rogen, Franco, Jonah Hill, Craig Robinson e Danny McBride. Desta forma, É o Fim deve agradar mais a quem tiver um mínimo nível de familiaridade com o estilo de comédia daqueles atores (nada muito sofisticado; a maioria deles representa o básico do básico do gênero).

O primeiro ato, durante a festa de James Franco, traz divertidas participações especiais de nomes como Michael Cera, bem diferente do que estamos acostumados a vê-lo nas telas, e Rihanna. Emma Watson tem uma participação um pouco mais longa, mas logo é “afugentada” da narrativa depois de entreouvir um diálogo penosamente extenso sobre estupro. Aliás, enquanto o roteiro de Rogen e Evan Goldberg (que também assinam a direção) é bem-sucedido principalmente nas piadas, não é só aquela conversa que é prejudicada por sua extensão – o mesmo acontece com uma discussão entre Franco e McBride sobre uma revista do primeiro.

É o Fim filme

Fora isso, o longa apresenta algumas tiradas divertidíssimas, beneficiadas pela naturalidade com que são enunciadas pelo elenco. Robinson, responsável por duas de minhas preferidas (“Aposto que você odeia filmes universalmente amados” e “Adoro esse cara, ele é de Onde Vivem os Monstros!”) e Hill são os atores que se mostram mais eficientes em suas piadas, enquanto McBride funciona bem como o antagonista. E se Baruchel revela-se uma boa escolha para protagonizar o filme e consegue construir um personagem interessante mesmo que o roteiro falhe ao tentar criar momentos dramáticos, Rogen surge tão sem graça como de costume (sua entonação, seja contando uma piada ou tendo uma conversa a sós com Baruchel, é sempre a mesma).

Trazendo também uma interessante versão do paraíso, É o Fim consegue agradar por ser um filme que, mesmo sendo algo aparentemente típico de seus criadores, consegue fazer graça consigo mesmo e com seu elenco. Assim, com comentários sobre os papéis sérios de Jonah Hill e o fato de que Seth Rogen interpreta sempre o mesmo tipo de personagem, tanto quem aprecia o trabalho desta equipe quanto quem já cansou do estilo mais básico da comédia norte-americana, consegue achar motivos para rir.


This is the End, escrito e dirigido por Seth Rogen e Evan Goldberg, com Jay Baruchel, Seth Rogen, Jonah Hill, Craig Robinson, James Franco, Danny McBride, Emma Watson, Michael Cera, Rihanna, Mindy Kaling, Aziz Ansari e Christopher Mintz-Plasse.


Trailer do Filme É o Fim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.