I´m Your Woman | A jornada de uma mãe… com máfia, tiros e tensão


Talvez I´m Your Woman não seja aquilo que você espera. De cara parece ter a ver com um thriller de máfia, talvez até um suspense daqueles de fuga, mas na verdade é bem mais do que isso, é uma jornada de descobrimento de uma mulher… que tem máfia, suspense e muita tensão.

A trama é simples, e quase sempre são nelas que residem as histórias mais interessantes. Rachel Brosahan (da incrível série Marvelous Miss Maisel) vive Jean, casada com Eddie (Bill Heck). Ele tem algum tipo de trabalho ligado à máfia e ela fica em casa esperando ele chegar. Ela sabe da profissão do marido, pelo menos pensa que sabe, mas mesmo assim ela aceita sem pestanejar a chegada de Harry, um bebê que Eddie leva para casa sem muita explicação.

Tudo poderia continuar assim, sem problemas para Jean, mas Eddie some. Isso faz com que ela caia de cabeça nessa fuga com a ajuda de Cal (Arinzé Kene), antigo parceiro de trabalho do marido. O problema é que os outros antigos parceiros de Eddie também estão à procura dele e Jean se torna o alvo deles.

O roteiro é escrito pela diretora Julia Hart e Jordan Horowitz . A dupla tinha trabalhado junto no incrível Poderes Extraordinários, dirigido por ela e que, infelizmente, passou despercebido por muita gente (Horowitz ainda pode ser lembrado como o cara que leu o Oscar correto para Moonlight naquela bagunça em 2017). O que os dois fazem agora é a jornada de uma heroína de modo delicado, violento e emocionante.

Jean não tem a oportunidade de negar seu “chamado à aventura”, só tem a chance de pegar seu filho no colo e mergulhar em um mundo onde vai descobrindo, tanto que ele existia, quanto que Eddie não era aquela pessoa que ela imaginava. Aos poucos, pedaço por pedaço, esse novo Eddie vai sendo criado como um mosaico, mas ele é apenas uma imagem que faz parte do verdadeiro retrato: Jean.

I´m Your Woman é um filme de fuga, já que Jean precisa seguir em frente, sem olhar para trás, por mais que o passado não pare nem por um segundo de tentar alcançá-la. Mas como em toda jornada desse tipo, o resultado é uma personagem maior e melhor ao final de toda correria.

Falando em “correria”, o filme de Julia Hart não sofre nem por um segundo com qualquer pressa. Seu ritmo é preciso, se coloca próximo à Jean e vai com ela nessa tentativa de se encontrar em uma nova vida. É um processo de crescimento para ela. Mais que isso, é um processo de descoberta.

Hart está sempre com Jean, não se importa com outros personagens, não quer ver a ação ou entender o que está em volta dela, se agarra à protagonista, seja dentro de um armário com medo, seja fugindo de um tiroteio dentro de uma cabine telefônica. A câmera de Hart é um espetáculo à parte, suas composições são poderosas e objetivas, a tensão de suas decisões cria um filme com um ritmo espetacular e uma tensão que sabe seu limite, tem a certeza de que essa personagem precisa passar por isso e aprender a levantar e seguir em frente.

O ritmo lento e que sabe que pode desenvolver extremamente bem os coadjuvantes de Jean (e todos são incríveis!), é quase sempre quebrado por pequenos momentos climáticos que colocam Jean no seu limite. Alguns tiros separados pelos atos do filme, mas que culminam em um único “momento de transformação” (bem entre os olhos… se é que você me entende).

Na ponta do elenco Rachel Brosahan é um espetáculo à parte. Fugindo completamente de sua Miss Maisel, a atriz constrói uma mulher que soa frágil, mas que tem a força de olhar para seus objetivos e entender o que deve ser feito. Sua força vai sendo construída, mas nunca como uma “heroína de ação”, mas sim alguém que está crescendo nessa jornada. A força de suas ações no terceiro ato, por exemplo, nunca a transformam em uma outra personagem, mas sim em alguém que continua convivendo com suas inseguranças, mesmo sabendo que não pode mais ser aquela mulher do começo do filme. Alguém que agora está no banco do motorista com um monte de gente dependendo dela.

I´m Your Woman é tenso, do começo ao fim. Principalmente, pois o espectador vai ter que acompanhar Jean tendo que se adaptar a cada passo que dá dentro desse novo mundo que descobre existir. Um drama sobre esse descobrimento, com máfia, tiros e toda tensão, mas mais do que isso, um filme sobre uma mãe que está disposta a ir até os seus limites para se manter mãe.


“I´m Your Woman” (EUA 2020); escrito por Julia Hart e Jordan Horowitz; dirigido por Julia Hart; com Rachel Brosnahan, Marsha Stephanie Blake, Arinzé Kene, Frankie Faison, Marceline Hugot, James McMenamin e Bill Heck