Hollywood não Sabe nada de Cinema!

A ideia do The Hollywood Reporter é boa, chegar a uma lista de 100 melhores filmes da história do cinema a partir das pessoas que hoje fazem o cinema (em Hollywood). O resultado…bom, o resultado é óbvio, vai sair na edição física dessa semana e ainda vai deixar um monte de cinéfilos felizes, afinal, a grande maioria viu boa parte dos 100 filmes.

O que não é um problema, já que logo de cara a lista grita aos quatro cantos o quanto ela é pop com O Poderoso Chefão em primeiro lugar, seguido por O Mágico de Oz, Cidadão Kane, Um Sonho de Liberdade e Pulp Fiction. Nem de perto uma mentira. Mas nem de mais perto ainda uma verdade.

especial-100-thr-primeiros

A lista nasceu então de 2.120 cédulas que forams distribuídas pela revista dentro da “movie industry”, vulgo “corredores de Hollywood”. Diretores, produtores, atores, diretores de fotografia, roteiristas etc., todo mundo votou. E todo mundo provou que Hollywood conhece muito pouco o cinema. A matéria completa deve sair só na revista, mas em uma prévia no site, eles afirmam que um dos “votantes” foi Vince Gilligan (criador de Breaking Bad), que de acordo com a própria, escolheu entre os cinco principais o clássico Yojimbo, de Akira Kurosawa.

Bom, o Yojimbo de Gilligan não entrou entre os 100, talvez tenha tido um único voto. O que não é uma surpresa, já que Kurosawa só emplacou uma única posição, lá no número 100. E falando em “barreira da lingua” (ou “medo de legenda”), o primeiro filme a aparecer na lista que não é falado em inglês está só lá na posição 60, O Fabuloso Destino de Amelie Poulin. E entre ela e 100° Os Sete Samurais, você só vai falar espanhol um pouquinho antes do final, com O Labirinto do Fauno no 96° lugar. Uma posição antes de Apertem os Cintos, o Piloto Sumiu e sete depois de Quem Quer ser Um Milionário.

Isso mesmo, o filme de Danny Boyle foi mais citado que Os Sete Samurais. Na verdade mais citado também que O Franco Atirador, Doutor Jivago, Rocky, Contatos Imediatos de Terceiro Grau e Bonnie e Clyde – Uma Rajada de Fogo. Isso quer dizer então que, muito provavelmente, mais gente recebeu uma dessas cédulas e ao responder os Cinco Maiores Filmes do Cinema, escolheu Quem Quer Ser Um Milionário, Apertem os Cintos, O Piloto Sumiu, Um Banzé no Oeste, Avatar ou A Princesa Prometida entre eles,do que citou qualquer filme de Truffalt, Felinni, Ozu ou mais uma infinidade de outros mestres do cinema.

Para Hollywood, o cinema acaba ali em seu quintal, e é o reflexo disso que coloca a “movie industry” atual em tãos maus lençois, xafurdando na lama de sequencias e mais sequencias, refilmagens, quadrinhos e robôs gigantes. Hollywood não sabe absolutamente nada de cinema.

É lógico que Gilligan citou Kurosawa, Spielberg (se recebeu uma cédula dessas) deve ter citado Truffault, mas eles próprios se tornaram exceção em um mundo que depende deles para existir.

especial-100-thr-kurosawa

E falando em Spielberg, o diretor teve sete filmes citados, enquanto Staley Kubrick teve quatro, o dobro de Alfred Hitchcock, com Psicose na 41° posição e Um Corpo que Cai na 70°, mesmo filme que, na famosa lista da revista Sight & Sound, destronou Cidadão Kane na última edição da votação (em 2012) depois de 50 anos de reinado. Nessa mesma lista, o terceiro lugar fica para Era Uma Vez em Tóquio de Yasujiro Ozu, seguido de Jean Renoir e seu A Regra do Jogo, Aurora (de FW Murnau) , 2001 – Uma Odisseia no Espaço, Rastros do Ódio, o soviético O Homem da Câmera, O Martírio de Joana D´Arc e ainda 8 ½ para fechar as dez primeira posições.

A lista, que para muitos é a única que deve ser realmente levada à sério, é o resultado dos votos de uma grupo bem seleto de profissionais da área, dando abertura para diretores e críticos de cinema. Em resumo: gente que ama cinema e faz de tudo para tentar entendê-lo como uma arte, e não como um cartaz bacana na porta do multiplex ou um monte de números no “box office” semanal.

Deixa de ser Chato!!!

Mas aqui o crítico chato sai um pouco de cena e entra o fã de baldes de pipoca, tiros e Hollywood. Onde os sonhos são mais brilhantes, os heróis são muito mais machos e as mocinhas sempre precisam ser resgatadas. Que acredita que alguém consiga sacar depois e acertar antes, e que um carro que voa pelas ruas de São Francisco continua acelerando em seu pouso ao invés de se desprender em um monte de pedaços.

Um otimismo que se transforma em decepção quando é mais fácil achar o Keanu Reeves do que o John Wayne entre os 100 mais votados da The Hollywood Reporter. Uma lista que simplesmente parece coroar os anos 90 como a época de ouro do cinema (22 filmes na lista), seguida pelo anos 70 (18 filmes), os anos 80 (15 filmes) e, pro fim, mas muito menos importante, os anos 2000 (com outras quinze lembrança). Isso mesmo, o resto fica na mão das outras quatro décadas que (realmente) popularizaram o cinema e o transformaram em arte pela primeira vez. E não é surpresa que os engravatados de Hollywood não se lembrem dela.

Curiosamente um período deixado de lado e que mais parece se assemelhar com os dias de hoje. Com o “star system”, os grandes épicos, os estúdios ganhando rios de dinheiro e um número enorme de grandes filmes, com grandes atores em grandes produções. Um período tão feroz e arrebatador que culminou, justamente, com o desespero dos anos 70 por referências fora de uma Hollywood estafada.

especial-100-thr-kurosawa-diretores

Mas não se engane, os clássicos imperdíveis de Hollywood (incluindo, John Ford, John Wayne, muito faroeste etc.) estavam lá, e eles não estarem na “tal lista” só mostra que a Hollywood de hoje não faz a mínima ideia do que foi a “Hollywood de ontem”. Uma “industria” formada por caras que “comeram cinema com pipoca” enquanto eram jovens, mas nunca tentaram chegar além dessas salas de cinema populares e matinês. Nunca tentaram entender o que foi o cinema para que aqueles erros do passado não voltassem a se repetir.

O curioso disso acaba sendo que quando os engravatados viram os cinéfilos tomarem conta de Hollywood (anos 60 e 70) com suas referências internacionais e ídolos que falavam em outras línguas, foram justamente aqueles caras em suas salas com ar condicionado que comandavam uma “máquina” que não sabiam como tinha sido construída, que acabaram perdendo seus empregos.

O link da lista completa você encontra aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.