Filho das Monarcas | Crítica do Filme | CinemAqui

Filho das Monarcas | Os segredos da vida


É difícil explorar um tema vão vasto quanto as nossas origens biológicas neste mundo, algo dominado por poucos, como Terrence Malick em A Árvore da Vida, por exemplo. Porém, Filho das Monarcas, filme diretor franco-venezuelano Alexis Gambis denota alguns momentos em que fica muito próximo de chegar a algum lugar promissor. Infelizmente, são tantas opções juntas que essas oportunidades fogem voando como nuvens de borboletas.

A história gira em torno de Mendel (Tenoch Huerta), um cientista mexicano que está prestes a publicar um trabalho em Nova York a respeito das manipulações evolutivas das espécies de borboletas que vem pesquisando há (aparentemente) muito tempo. Essas borboletas fazem parte de sua infância na terra natal e suas memórias com a avó, o melhor amigo e o irmão. É a morte da avó que traz essas lembranças de volta e que faz com que Mendel retorne à sua cidade e reveja seu irmão junto de um assunto ainda não resolvido entre eles, motivo de muita mágoa.

A dança entre os diferentes temas e interações dos personagens é elegante. Tanto a música de Cristóbal Maryán e a edição de Èlia Gasull Balada e do próprio Gambis tratam este roteiro, também ddo diretor, com muita afeição e familiaridade. Imergimos nessa história naturalmente, meia-hora depois não desgrudamos mais os olhos do que irá acontecer.

Alexis Gambis já dirigiu outros dois longa-metragens e gosta de explorar a nossa relação com comportamento animal. Além disso, é fundador da Labocine, um site de streaming que combina ciência e como ela se insere na arte cinematográfica. Isso explica todo o cuidado do cineasta com o tema em Filho das Monarcas, onde as pesquisas que seus personagens conduzem fazem todo o sentido. Não há nada de extraordinário na trama, pois o incrível já faz parte da nossa jornada científica em busca de um vasto conhecimento sequer explorado ainda.

Filho das Monarcas passou nessa Mostra de São Paulo, mas provavelmente deve estrear nos circuitos comerciais, ou pelo menos nos mais restritos. E mesmo atrasado (o contexto que se passa a história é 2019), éum conteúdo muito bem-vindo a todos que apreciam cinema e ciência. Juntos, então, quase imperdível.


Son of Monarchs” (Mex/EUA, 2020), escrito e dirigido por Alexis Gambis, com Paulina Gaitan, William Mapother e Tenoch Huerta.


O filme faz parte da cobertura da 45° Mostra de Cinema de São Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.