Cinefilia Crônica | E o Oscar vai para os de sempre


MELHOR ANIMAÇÃO: Deu a lógica. Venceu minha colega de baia, aqui no escritório. Todas as segundas-feiras, logo às 7h da manhã, ela chega com aquele sorrisão no rosto e dá um bom dia animado. Pede mais positividade para a semana que começa e sempre que possível lê textos motivacionais. Ninguém aguenta muito. Eu, mesmo, finjo que a ouço com atenção enquanto tiro remelas dos olhos só porque preciso manter esse emprego.

MELHOR FIGURINO: Foi para o novo rico. Ele usa roupas estrambólicas e coloridas, no maior estilo Agostinho Carrara. Já pintava como favorito, apareceu na cerimônia usando uns óculos que faziam doer os olhos. Fez por merecer e assim agora todo mundo sabe que ele ganha mais que os amigos ao redor.

MELHOR CURTA-METRAGEM: Ela é querida por todos e precisava ser reconhecida por seu talento ímpar de filmar a balada de sexta e o show de sábado. Do começo ao fim. A caixa de som estourada faz doer os ouvidos mas precisamos reconhecer o sacrifício dessa querida. Não é qualquer um que tem a disposição de abrir mão do lazer para nos brindar com essa obra.

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Ganhou, com muitos méritos, meu amigo crossfiteiro. Tudo bem que é um filme repetitivo a cada dia de treino, mas ninguém percebe, ninguém liga. O prêmio foi merecido.

MELHOR FOTOGRAFIA: Só lindas imagens! O prêmio foi para a falsa foto espontânea com um sorriso fabricado a poucos segundos do flash. Foi concorrido, mas conseguiu bater a pose mal feitas ao lado da estátua de Carlos Drummond de Andrade e os braços abertos com o Cristo Redentor de fundo.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: Um representante da digníssima categoria dos coachs se emocionou demais ao receber o prêmio. No emocionante discurso escrito por um ghost writer, dedicou a vitória a tanta gente que trabalha enquanto eles dormem.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Pela primeira vez, o Brasil leva o prêmio mais importante do cinema. Quem poderia imaginar as reviravoltas inacreditáveis da política nacional? Apesar da estética pavorosa e dos absurdos do dia a dia, não dá pra negar: só um excelente roteirista é capaz de escrever a história tortuosa dessa terra estranha.

MELHOR DIREÇÃO: Os donos de aplicativos de transporte individual e entrega de refeições chegaram lá. Uns falam em zebra, mas nosso comentarista discorda. A menção honrosa foi para o transporte público, obrigando motoristas a dirigir, cobrar e ainda ouvir desaforos de passageiros mal educados.

MELHOR ATOR COADJUVANTE: O avô não esteve presente para receber o prêmio porque sua família esqueceu de trazê-lo do asilo, onde foi deixado há quase 10 anos e é pouco visitado, já que a rotina é tão corrida e cheia de compromissos.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: A nobilíssima namorada, sempre tão disposta a tudo por seu amor, incentivadora dos estudos e da carreira do futuro esposo, tão amada pela família dele, pintava como favorita por aturar brigas, ser chamada de louca e se render às pazes feitas no dia seguinte. Mas quem levou o prêmio foi a amante para a qual ele diz que não anda nada bem no relacionamento desgastado.

MELHOR ATOR: Meu amigo bicheiro venceu com sobras. Ele já vinha recebendo as outras premiações. Até porque ninguém é maluco de contrariá-lo. Mesmo sabendo que seu comércio é fachada para lavagem de dinheiro, o prêmio deixou os familiares e amigos puxa-saco emocionados. Houve até quem deixasse escapar umas lágrimas.

MELHOR ATRIZ: Minha vizinha coleciona atuações primorosas fingindo lavar a calçada, de olho nas sacolas de compras dos outros moradores, sempre atenta a quem entra e sai na casa de quem, os devedores, os cobradores. Finalmente seu talento foi reconhecido.

MELHOR FILME: Quero agradecer à Academia e a todos. É tão difícil definir o que isso representa. Às vezes é tudo um drama, como nesses dias de desemprego e boletos sem fim, ou nos almoços com familiares conservadores. Em outros momentos, dou risada sozinho, minha vida é tão absurda que parece comédia. Se uso um cartão de crédito, sinto o suspense até a transação ser aprovada e o terror de ver a fatura na caixa de correio. Esse prêmio é pra vocês, muito obrigado!

CONFIRA OS OUTROS TEXTOS DA COLUNA CINEFILIA CRÔNICA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.