Drácula: A História Nunca Contada Crítica

Drácula: A História Nunca Contada

Não existe razão alguma para Drácula: A História Nunca Contada existir. Todo mundo já conhece a história de Vlad Tepes ou Dracul (ou o sobrenome que você preferir) de diversas versões, ainda que elaDrácula: A História Nunca Contada Poster nunca tenha sido o cerne de nenhum filme, e existe uma razão para isso: ela não é interessante.

Pior ainda, ele é melodramática, frágil e curta demais. Não existe nada que precise ser contado que já não tenha servido de prólogo para algum filme de vampiro qualquer. Por isso não é surpresa que o Drácula de Francis Ford Coppola não só seja o primeiro a ser lembrado por esse esforço de contar essa história, como nos poucos minutos que necessita para fazer isso são muito mais interessantes que todo esse novo A História Nunca Contada.

O que é uma pena, já que a direção do estreante Gary Shore está bem perto de um acerto, valorizando bem a ação, os efeitos especiais e as cenas de batalha, criando então até um filme empolgante na maioria do tempo, mas a história é tão desinteressante e igualmente desempolgante que nada disso acaba valendo a pena.

O texto de Matt Shazama e Burk Sharpless, ainda que não conte uma história igual às outras, e faça um baita esforço para criar um Drácula “chapa branca”, heroico e motivados por amor e lealdade, não interessa para ninguém. E isso talvez aconteça por decidir focar essas mudanças em detalhes fúteis e melodramáticos. Então quem está em busca de uma “história nunca contada”, descobre que isso tinha razões para permanecer inédito.

Na história, Vlad (Luke Evans) é um príncipe da Transilvânia com um passado violento como soldado do exército turco lá pelos idos de 1400 (na verdade Império Otomano, já que a Turquia só nasceu em 1922, pelo menos de acordo com a Wikipedia). Em paz com seus inimigos por um bom tempo, o príncipe então volta a ser ameaçado pelo Sheik Mehmed (Dominic Cooper) que quer 1000 jovens da Transilvânia para se tornarem seus escravos guerreiros.

Drácula: A História Nunca Contada Filme

Sem um exército que faça frente ao Turco (/Otomano) Vlad decide então negar o pedido e buscar ajuda em uma figura mística que habita uma caverna, na verdade um vampiro, que acaba lhe concedendo poder para derrotar os exércitos inimigos. Uma espécie de “test drive” de sugador de sangue: se em três dias ele conseguir dominar “a sede”, terá sua humanidade de volta, caso contrário será amaldiçoado pela eternidade.

Como você já deve saber Vlad “O Empalador” não dá conta dessa “sede” e se torna o famoso “Drácula”, com direito a sacrifício na família e uma luta final rodeado de prata (que, aparentemente, todos continuam teimando fazer mal para os “filhos das trevas” assim como nos lobisomens). Isso e um controle sobre os morcegos que faria o Batman morrer de inveja.

E tudo isso junto, essa história frágil e novidades desempolgantes, até trazem uma “história nunca contada”, mas uma que talvez ninguém estivesse muito interessado em saber.


“Dracula Untold” (EUA, 2014) escrito por Matt Sazama e Burk Sharpless, dirigido por Gary Shore, com Luke Evans, Sarha Gadon, Dominic Cooper, Art Parkinson e Charles Dance


Trailer de “Drácula: A História Nunca Contada”