Cidade Pássaro | Uma busca por conexões genuínas


Estudo de personagem que traça diversos fios diferentes e escrito por quatro pessoas: nas mãos erradas, Cidade Pássaro poderia facilmente ter se tornado uma bagunça pouco estruturada, mas o resultado final é não apenas muito coeso, como também tocante e complexo. Seja por seu retrato incomum da cidade de São Paulo, seja pela forma com que transmite tanto o fascínio quanto a crueldade da metrópole, seja pela maneira com que estrutura o arco dramático do protagonista, Cidade Pássaro é um primor.

O belo título brasileiro, “Cidade Pássaro”, resume bem a forma com que Sâo Paulo é mostrada no longa: o pássaro do título tem tanto o potencial de ser aprisionado quanto de voar pelo mundo. Adotando enquadramentos que frequentemente colocam os personagens no canto do quadro, com a cidade tomando conta de todo o espaço restante, o diretor brasileiro Matias Mariani também utiliza o design de som para representar o quanto a cidade domina tudo ao seu redor. A primeira imagem de São Paulo no longa já impacta ao surgir logo em seguida de uma cena colorida, quente e tranquila na Nigéria dos anos 80.

E, no meio de tudo isso, há a busca incessante do nigeriano Amadi (O.C. Ukeje) por seu irmão mais velho, Ikenna (Chukwudi Iwuji). Amadi chega a São Paulo e percorre a capital quase como que um homem estudando um planeta alienígena, mas em meio a tudo isso também há momentos de respiro em paisagens queridas e familiares, como o Sesc 24 de Maio.

Chegando à metrópole, Amadi segue as poucas pistas que tem da rotina do irmão enquanto tenta encontrá-lo: seu local de trabalho, sua casa própria… Porém, o protagonista logo descobre que a vida de Ikenna em São Paulo é bem distante da realidade que ele pintou para o irmão. E por mais que a cidade se mostre hostil e solitária, há algo que, afinal, une todos nós: a busca por conexões genuínas.

Enquanto transita pela cidade-pássaro quase como um explorador envolvido em uma caça ao tesouro, Amadi também busca seu lugar no mundo e repensa a forma com que enxerga o irmão. É com essa sensibilidade complexa que Cidade Pássaro tanto acerta.


“Cidade Pássaro” (Brasil, 2020), escrito por Maíra Buhler, Matias Mariani, Júlia Murat e Roberto Winter, dirigido por Matias Mariani, com O.C Ukeje, Chukwudi Iwuji, Paolo André, Indira Nascimento, Barry Igujie e Yasmin Thin Qi.


CONFIRA A COBERTURA COMPLETA DA 44° MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA DE SÃO PAULO