Amor & Amizade Fime

Amor & Amizade | No cinema, sempre há espaço para mais um Jane Austen

Sempre há um filme de época, assim como sempre há um romance de Jane Austen sobrando para filmar. Por ser algo fruto de suas experiências na nobreza britânica, onde famílias donas de títulos de nobreza – e, portanto, terras para explorar – viviam e sobreviviam no campo, em condições muito melhores do que os camponeses recém-chegados na cidade. Para as mulheres, estar nesse meio significa conseguir um bom partido para a sustentar. Essa é a teoria. Além disso há a questão pragmática em escolher um parceiro: boa aparência, boa companhia e conversas inteligentes. E o mais divertido em Amor & Amizade, e o que o destaca dos demais filmes do gênero, é observar como a palavra “inteligente” pode ser relativizada facilmente entre aquelas pessoas. Tudo depende da companhia que estiver ouvindo.

Observe como a viúva protagonista, Lady Susan Vernon (Kate Beckinsale) pode até se gabar de ser mais esperta que as outras mulheres por compreender melhor os homens (algo que só é possível ganhar experiência convivendo com vários deles). Seus conhecimentos sobre a Bíblia são medíocres, mas basta esse nível de instrução e usar construções rebuscadas e que indiquem uma certa vivência, obviamente maior que um jovem ainda em suas fraldas, como Reginald DeCourcy (Xavier Samuel), para hipnotizá-lo e causar o terror de sua família, sempre cuidando para que as uniões nunca dissolvam sua riqueza em duas partes.

A reputação é algo a se zelar nessa sociedade, muito mais que hoje em dia, pois se você pisar na bola, ou seja, não seguir as regras sociais, nem que seja um pouco, está perdido para o resto da vida (considerando que não tenha posses, é claro). Isso é o que move as ações de Susan, que precisa fazer uma ginástica moral todo momento para esconder os boatos a respeito de sua vida de luxúria com um homem casado. Aparentemente as mentiras ditas de maneira pomposa são muito mais aceitáveis, mas o que fica difícil de fazer é convencer que aquelas pessoas não possuem nenhum senso crítico das bobagens ditas por ela.

Apresentando os atores e personagens como atuantes em uma série ou novela (e os apresentando novamente nos créditos finais), o filme tenta também se inserir como um trabalho de época, o que o torna apenas brega e ofende a inteligência dos espectadores, mesmo que esteja de certa forma homenageando o conteúdo original de Austen. O roteiro de Whit Stillman, que também dirige, torna esta adaptação uma série interminável de diálogos, necessários para que acompanhemos todo o jogo de interesses e manipulações usados por Lady Susan para conseguir o que deseja.

Amor & Amizade Crítica

No entanto, este é um trabalho mais cômico do que dramático, embora não seja bem explorado. A exceção fica por conta do espontâneo Sir James Martin (Tom Bennett), que diverte em uma combinação curiosa entre simpatia, ingenuidade e ignorância. Junto com ele surge a questão da ignorância desses caipiras da nobreza, em que não conhecer a história de Salomão significa tanto que a pomposidade muitas vezes é uma fachada para mentes ociosas e entendiadas, quanto que para eles a diferença entre ser alguém aceitável em sua roda de amigos é seguir as regras de conduta e saber o mínimo necessário (como a quantidade de mandamentos bíblicos).

Não é nenhuma novidade, mas é necessário ressaltar, que neste trabalho também se incluem músicas da época, um vestuário deveras impecável (ainda que teatral) e um sotaque britânico afetado que diverte mais pelo uso das palavras do que pelo sotaque em si.

Há também um fiapo de discussão entre emoção e razão – uma ótima ponta com o pároco da igreja, interpretado por Conor MacNeill – mas isso acaba se tornando irrelevante para a história, da mesma forma com que as estratégias de Lady Susan funcionam até certo ponto. Este é um filme compactado de um romance, então arestas que ficaram soltas é algo de se esperar. Apenas com muito cuidado, e muita atenção, um Amor & Amizade pode virar Orgulho e Preconceito. Porém, pelo menos este está muito longe de um Orgulho e Preconceito e Zumbis (com a exceção da atriz Morfydd Clark, que faz papel em ambos).


“Love & Friendship” (Irl/Hol/Fra/EUA/RU, 2016), escrito e dirigido por Whit Stillman, à partir de uma obra de Jane Austen, com Kate Beckinsale, Morfydd Clark, Tom Bennet, Jenn Murray, Chole Sebigny e Stephen Fry


Trailer – Amor & Amizade