Ajuste de Contas

De início, um filme que coloca Rocky Balboa e Jake LaMotta para se enfrentar em uma luta de boxe parece promissor. Em um longa como este Ajuste de Contas, que conta com o “talento” de Peter Segal, piadas que parecem saídas da boca de um bando de moleques Ajuste de Contas Posterno pátio da escola e cenas supostamente dramáticas embaladas por uma trilha sonora genérica, porém, o resultado é desastroso.

No alto de suas carreiras, Henry “Razor” Sharp (Sylvester Stallone) e Billy “The Kid” McDonnen (Robert De Niro) se enfrentaram em uma luta que teve o segundo como vitorioso. No próximo embate, porém, Razor levou a melhor – e, logo em seguida, anunciou sua aposentadoria. Acreditando que só perdeu porque não estava em sua melhor forma e que o adversário sabia disso e, por isso, abandonou o boxe, Kid passa as próximas três décadas desejando que pudesse enfrentar Razor novamente em uma revanche. A oportunidade surge depois de uma sessão de dublagem e captura de movimentos dos dois para um videogame, onde acabam saindo no tapa e despertam o interesse do público (a cena acaba caindo na internet) por uma nova disputa entre os rivais.

Para chegar lá, Razor e Kid precisam, porém, passar por um intenso treinamento, e colocar seus corpos de 70 anos de idade em forma para o ringue novamente. Além, também, de uma série de situações forçadas – enquanto Razor perde o emprego bem à tempo de repensar sua inicial recusa à proposta, Kid é procurado pelo filho que nunca havia conhecido e, muito convenientemente, é treinador de esportes.

Tentando caminhar entre o drama e a comédia e falhando espetacularmente em ambos os sentidos, Ajuste de Contas traz dezenas (sem exagero) de piadas envolvendo urina, fezes, exame de próstata, o significado em inglês da sigla B.J., uma desprezível piada sobre estupro na prisão e, principalmente, referências a quão velhos são os protagonistas e o treinador de Kid, vivido por Alan Arkin. Desde um “Eu não acredito que ele ainda está vivo!” até Arkin dizendo que deveria estar assistindo a Dancing with the Stars e não se preocupando com boxe, porque é um cara velho (algo que que ele aparece fazendo em uma, claro, descartável cena durante os créditos finais), as menções à idade avançada dos personagens são constantes.

Ajuste de Contas

Trazendo ainda uma criança irritante, o neto de Kid, que não serve propósito algum à história, e denegrindo a personagem de Kim Basinger (apenas a pivô da rivalidade entre os protagonistas), o longa consegue ser minimamente engraçado apenas quando o empresário vivido por Kevin Hart está em cena. Mesmo assim, ele próprio também é vítima da indecisão e da fraqueza do roteiro de Tim Kelleher e Rodney Rothman, surgindo deslocado da narrativa na maior parte do tempo. Enquanto isso, Jon Bernthal se esforça e até consegue criar um personagem carismático, mas também não tem muito o que fazer.

Stallone e De Niro devem qualquer apego que o público possa vir a sentir por seus personagens à sua longa carreira no cinema e ao simples fato de estarem atuando juntos em um filme, basicamente, sobre “como eles são velhos!”. Jamais realmente permitindo que formemos uma conexão com Razor e Kid, Ajuste de Contas não nos mostra momentos importantes, como Razor finalmente decidindo que, sim, irá participar da luta, enquanto tenta nos vender o amor que ele sente por Sally, eterno e ainda profundo depois de tanto tempo, mas que nunca conseguimos ver. Da mesma forma, Kid leva uma vida tranquila e bem-sucedida mas, mesmo assim, nunca superou ter sido derrotado pelo rival; porém, fora algumas piadas sobre sua determinação a não esquecer o assunto, o filme não está preocupado em nos fazer entender as motivações do personagem.

Afinal, uma rivalidade que dura por três décadas deve ter algum peso na vida dos envolvidos. Entretanto, testemunhamos alguns pequenos exemplos da competitividade entre os dois, como quando eles saltam de para-quedas, mas o relacionamento entre Razor e Kid não é realmente explorado. Na maior parte do tempo, acompanhamos cada um separadamente, o que só enfraquece a conclusão água-com-açúcar do filme.

Assim, o que poderia ser um filme que faz graça com si mesmo e que, mesmo com uma história simples, faz com que realmente nos importemos com aquelas pessoas, Ajuste de Contas surge desprovido de carisma e absolutamente descartável.


Grudge Match, escrito por Tim Kelleher e Rodney Rothman, dirigido por Peter Segal, com Sylvester Stallone, Robert De Niro, Alan Arkin, Kim Basinger, Jon Bernthal e.


Trailer do filme Ajuste de Contas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.