Água para Elefantes

É tremendamente decepcionante ver um filme com o potencial do drama Água para Elefantes dar tão errado apenas pela presunção de que, para emocionar o espectador, só é preciso uma historinha bonitinha. Pois é, muito pelo contrário. Analisando mais friamente ainda, pode-se dizer que, muito provavelmente, tal presunção se crie, justamente, diante de quem teria que ser mais aberto às necessidades de seu filme, o diretor Francis Lawrence.

Vindo de objetivos narrativos completamente distintos em seus filmes anteriores (Constantine e Eu Sou a Lenda), a impressão que fica, é que ele ainda não parece ter a leveza suficiente para encarar uma história tão sensível como essa (que é a adaptação de um Best Seller de 2006 escrito pela canadense Sara Gruen).

Ambos (o livro e o filme) contam a história desse jovem polonês (em um flashback contado por ele, já idoso) que tem uma vida perfeita e programada, em que ele iria se formar na faculdade, virar um veterinário e ser feliz para sempre, mas um acidente de seus pais interrompe tudo isso e ele se vê perdido pelo mundo, sem dinheiro, sem família e sem esperança, até que acaba embarcando (clandestinamente) em um trem e entrando para um circo.

Jacob (que é interpretado na sua juventude pelo galã Robert Pattinson) então se transforma no veterinário da companhia circense, ao mesmo tempo em que se descobre apaixonado pela esposa do dono do circo (Reese Whiterspoon e Cristoph Waltz) e termina por ter que esconder esse amor para impedir uma tragédia.

Na verdade, em um momento Titanic, o velho Jacob (ai sim bem interpretado pelo genial Hal Holbrook) começa essa história contando como ele foi parar no meio dessa famosa tragédia pela qual o tal circo ficou conhecida, e no meio disso acaba contando a história desse amor. E se, logo de início, é impossível fugir da referência, a direção de Lawrence, muito pelo contrário, parece receosa em dar ao seu filme a grandeza de seu primo marítimo: Se James Cameron aproveitou aquele iceberg no caminho de seu navio para contar uma história de amor, Lawrence segue o rumo oposto e parece dar pouca importância para esse mundo maravilhoso que circunda o casal.

No fantástico mundo do circo de Lawrence o melhor é plantar os pés no chão e ficar na companhia desse triangulo amoroso e perder a oportunidade de entrar de cabeça nessa realidade lúdica (como Cameron faz questão de explorar aquele navio). Ainda mais quando o roteiro de Richard LaGrevanese (que escreveu dramas interessantes como P.S. Eu Te amo, O Encantador de Cavalos e As Pontes de Madison) se mostra tão a vontade com a sensibilidade que essa história se permite ter.

Seu Jacob é um personagem sem esperança, quase pessimista com o mundo, mas que acaba dando o primeiro passo para essa nova vida, justamente no lugar mais esperançoso do País, que naquele momento enfrentava uma crise econômica. Se assume um melodrama que, sem dúvida, não quer ser outra coisa a não ser um melodrama, e, se isso pudesse então ajudar Lawrence a ficar a vontade para soltar sua câmera ao redor desse mundo, parece forçá-lo, erroneamente, a criar um ritmo equivocado para seu filme.

Água para Elefantes acaba picotado e desesperado, direto e prático demais, não se deixando levar pela beleza de algumas de suas tomadas, como o balé dos martelos acertando as estacas ou a tenda do circo ganhando vida, deixando que isso fique pouco tempo diante do espectador. “Enfeiando” um filme que tinha tudo para ser lindo e encantador.

Lawrence parece tão preocupado com esse trio de personagens que não percebe que, diante daquele circo, daquelas pessoas, e daquele momento histórico, todas ferramentas para se desenhar um filme visualmente impecável, estivessem lá, ao alcance de sua mão. De um país em crise sentado vendo aquele “maior espetáculo da Terra” a uma espécie de família composta de gente que, fora daqueles vagões, daquele picadeiro e daquela falsa realidade, tem medo de serem apenas mais um diante da multidão.

O desespero de só olhar para esses três personagens é tão grande, que essas discussões são usadas, única e exclusivamente, para aprofundá-los, mesmo tendo tamanho material humano em mãos. É difícil (ou impossível até) se comover com a morte de dois personagens coadjuvantes, em certo momento do filme (que acabam tendo uma enorme importância para o ato final do filme, mas acabam sendo encaradas como um pequeno flash, meio sem importância) pois, até aquele momento, o peso e a profundidade de suas presenças, tinham sido apenas arranhadas na superfície de sua trama principal.

Quem sai ganhando com esse equilíbrio é Chistoph Waltz, que, na pele do dono do circo (e vilão por definição, e atalho, que é o único que maltrata um animal) acaba sendo deliciosamente trágico, sádico, e apaixonado (tanto por seu circo quanto por sua mulher). Uma profundidade sádica e pesada que dá ao trio a única vida que ele precisa para existir, já que Whiterspoon parece estar ainda no piloto-automático pós Oscar e Pattinson, mesmo esforçado (é preciso dizer), só não perde em antipatia com o público graças a imagem de Holbroock, que permite a todos ver o quão simpático e apaixonante ele irá se tornar.

No fim das contas, Água para Elefantes presume que pode emocionar só com essa história bonita, que, muito embora, ajude bastante a mascarar a falta de criatividade do diretor, ainda assim escorrega em um fim pouco “Titaniesco”, que não impressiona e não percebe a veia épica que tudo aquilo teria. Uma história de amor que acaba dando certo de modo cômodo com a falta de fantasia e ambição visual que Lawrence parece não faltar na hora de comandar vampiros apocalípticos e demônios, mas não consegue alcançar com gente de verdade.


Water for Elephants (EUA, 2011), escrito por Richard LaGravenese, a partir do livro de Sara Gruen, dirigido por Francis Lawrence, com Robert Pattinson, Reese Whiterspoon, Chistoph Waltz e Hal Holbrook.


27 Comments

  1. velho quem leu o livro e depois viu o filme com certeza se decepcionou, é natural, o livro é muito melhor, te deixa sem fôlego realmente, eu achei INCRÍVEL, o filme, bem, é superficial, mais eu não acho que ele seja ruim, acho que vale a pena ver os dois, mais leia o livro primeiro, como já disseram, garanto que assim vc não se decepciona nem um pouco, pelo contrário, vai ter uma bela de uma surpresa!

  2. Eu acho que quem leu o livro e depois viu o filme, não poderia ter outra reação, eu li o livro, incrível por sinal, ver o filme depois, que por sinal também é bom, não foi uma boa ideia, simplesmente porque conhecendo o livro você espera muito mais do filme, pura ilusão, o filme não é ruim, é realmente bom, tem de tudo, comove o telespectador e não o deixa dormir, mais o livro, sem dúvidas, é muito melhor, li ele em dois dias, para se ter uma noção. O filme é superficial, em relação a alguns detalhes e personagens, mais vale lembrar que ele é apenas baseado no livro, não uma cópia cinematográfica dele, então, pra mim, vale a penar experimentar os dois, mais uma dica para quem quer fazer isso, veja o filme primeiro, porque ao ler o livro, a sensação será incrível!

  3. Eu nada entendo de filmes se “Água para elefantes”é ruim.Acabei de assistir e gostei muito. A história não tem um instante para nos distrairmos e pensarmos em sair de frente da TV. Fascinante, recomendo a todos! A questão é super atual, correta sob todos o aspectos.

  4. Crítico de filme é igual a comentarista esportivo,só vê defeitos e se estivesse no lugar faria melhor.Nenhum trabalho está isento de falhas,afinal é feito por seres humanos.Comprei o dvd,original,e não acredito que gastei meu dinheiro com porcaria.O filme é muito bom.Ah,quem deveria devolver dinheiro é o governo ,que presta péssimo serviços em praticamente todas as áreas.Nem por isso tem gente enviando e-mail pro deputado que votou.Só perdendo tempo falando mal do gosto alheio.

  5. O papel dos animais explorados e maltratados pelo dono do circo não pode ser relegado a um plano secundário, pois foi o amor por esses animais que uniu Marlene e Jacob. Linda história com um final feliz!

  6. eu nao concordo com a critica pois o filme vem trasmitir uma historia comovente de um jovem que é universitario seus pais morrem… a historia é maravilhosa e levando mas a fundo para os que leram o livro como eu também !a historia é uma criçao da altora inspirada em historia de circo cada da pessoa tem a sua cridividade expressiva e concordo com nattasha pois eu amei é só o oposto mas Ele so deixa a gente (que leu o livro antes) com aquela sensaçao de que falta alguma coisa. mas o filme em se é muito bom nao concordo com a critica no momento em expomos alguma coisa que afete a alguém temos que saber respeitar cada altor(a) com sua expressao vital meus parabens para Sara Gruen e pela escolha dos altores principalmente ROBERT PATTINSON e pros que gostam da atuaçao dele em crepusculo é maravilhosa mas quem gosta de pattinson msm tem nao só de seus personagems presisa gosta e saber que atuaçao delle sempre sera espetacular !!!!!

  7. Eu nem destestei nem amei o filme. Ele so deixa a gente (que leu o livro antes) com aquela sensaçao de que falta alguma coisa. O filme parece que nao tem liga e os fatos parecem nem se concetar. Como assim, o Walter quase nao tem importancia no filme, e o Camel entao? a historia da doença deles e tudo que eles passam, ficou muito direito. A cena da morte dos dois entao e quse patetica, cade a emoçao? Cade a trama que leva ao climax do filme? E além do mais, foi so eu, ou alguem percebeu que nao havia Tio Al no filme, como assim? Resumindo ao ver o filme a sensação que se tem, quando se pensa no livro, é NÃO É ASSIM!! Realmente o diretor perdeu uma grande oportunidade de fazer um filme historico, e resumiu a encantadora e emocionante historia de Sara Gruen em um folhetim de TELA QUENTE!!!

  8. Bom achei que faltou muita criatividade do diretor
    Francis Lawerence pois ele esqueceu que estava fazendo um
    filme baseado em um circo antigo.
    Em todas as cenas do filme aparecia o trio August, Jacob e Marlena
    tudo bem que eles eram os personagens principais mas o diretor
    esqueceu de mostrar as belezas do filme,como a tenda do circo ganhando vida,entre outras…
    FALTOU MUITAAA CRIATIVIDADE DA PARTE DO DIRETOR
    O filme tbm não impressiona

  9. adorei o filme!!!!
    o escritor Richard LaGravenese, ESTÁ DE PARABÉNS pois o livro quanto o filme é ótimo…

  10. Waltz representa muito bem o empresário instável e repulsivo que maltrata animais e pessoas no seu circo. O casal Witherspoon e Pattinson atrai. É prá quem quer assistir um filme leve, com romance e uma bela história comum mas agradável de assistir.

  11. Os americanos (e outros) há séculos perceberam que no mundo do entretenimento qualquer
    banalidade serve para ganhar dinheiro. Então, nunca tiveram escrúpulos e vergonha de vender qualquer porcaria porque sempre vai ter muita gente para comprar. Assim, um filme
    como esse em questão ( e milhões de outros filmes) correm o mundo faturando milhões de
    dólares. Por que muitas pessoas não conseguem perceber imediatamente a farsa que é um filme como esse? Ali dentro não tem nada, é um vazio total, você foi enganado, é tudo
    embromação, eles nos passaram a perna e levaram o nosso dinheiro. E não tem como pedir
    o dinheiro de volta. A coisa toda é muito bem bolada, os caras são bambas e sabem que
    empurraram na gente gato por lebre.

  12. caralho que filme horrivellll,puts não tem enrredo ou me arrepende ate o nariz de ter vido esse filmeee

  13. depois me mande sua opinião em três vias autenticadas Ana Citty…

  14. Seria um boa “pedida” de filmologia para este meu tedioso dia de Segunda-feira, contudo ao ler sua crítica e perdendo-me em seus argumentos redundantes a cerca do então, em sua opnião, fracassado trabalho de Lawrence, pus me a pensar, sem ainda assistir ao filme, sobre suas expectativas frustradas sobre o mesmo. Certamente a erros e acertos quando se trata do gênero drama, é mais fácil fazer rir do que chorar, não é? Enfim, quero dizer que por hoje não vou mais ver o tão aclamado longa por conta da preguiça a qual me passou ( e isso não foi seu poderil de persuasão, mas seu tropeço argumentativo), ou seja, volto amanhã e aí digo-lhe o que achei, já que, creio eu, a intenção de se deixar um espaço a comentários seja essa, a de troca de opniões. Mas queria dizer que quando se trata de criticar algo, deve-se deixar a sua intenção lirica de lado, sendo parcial ou não mencionando descaradamente o porque de não gostar, pois dessa forma você influencia as pessoas ao seu gosto e vamos concordar que a beleza está nas diferenças… Volto depois! Beijos.

  15. realmente eu não faria um filmes desses, tenho vergonha na cara e se o resultado fosse para ser esse, nem me meteria a tentar…

  16. OTIMO filme, acabei de assistir! Gostei demais, e não concordo com as criticas. Duvido que quem criticou, faria um filme desses haha
    Esse filme e adaptacao de um livro… E TODOS sabemos que os livros sao SEMPRE melhores.
    Eu não li o livro e nem vou ler, pois com o filme entenfi TUDO!
    Achei muito bom… Proncipalmente as partes:
    *Onde o vilao manda Jacob e Marlene fazerem aquela ceninha e dps os dois brigam
    *Eles pulando do trem
    *Qnd soltam os animais e acontece aquelas coisas (o cara tentando matar a Marlene e dps o elefante matando ele)

    Resumindo: Vou recomendar esse filme a todos!

  17. ADOREI O FILME .
    FILME MEIGO,A VIDA DURA DE UM CIRCO,COM SUAS DIFICULDADES,ENFIM GOSTEI MUITO.
    O FIM ACHEI ESPETACULAR,MOSTRAR AS CENAS DA VIDA DOS DOIS,EM BRANCO E PRETO,FOI LINDO.
    PERGUNTO: PORQUE AS COISAS NÃO PODEM DAR CERTO DE VEZ ENQUANDO,PORQUE SEMPRE TEM QUE SER COMPLICADAS?
    O FILME MOSTRA QUE VIDA PODE DAR CERTO ,SIM!!!

  18. Só assistir ao filme depois de ler o livro, e confesso que fiquei frustrada e decepcionada. Não passou a emoção que o livro passa, o final trágico e emocionante que me deixou praticamente sem ar durante a leitura, simplesmente sumiu no filme. Esperei por uma boa briga nos minutos finais do filme (assim como acontece no livro) e só vi 2 socos e pronto, e o Jacob e a Marlena pulando juntos do trem??? Pera lá
    O filme tinha tudo para ser um sucesso e foi decepcionante ao extremo. Não digo que foi tão ruim, mas para quem leu o livro esperava muito, tinha expectativa, e no final sai do cinema se perguntando o que aconteceu com uma historia tão bonita e comovente…

  19. Realmente esperava mto mais do filme… A única coisa boa do filme é o sempre ótimo Chistoph Waltz mesmo… Adoro a Reese, mas infelizmente nesse filme a atuação dele deixou mto a desejar… E o Robert Pattinson, achava q ele não era ruim, mas depois desse filme percebi o quão ruim ele é, na verdade ele é tão ruim qto (ou quase tanto qto) a sua parceira dos filmes vampirescos. Simplesmente não sabem atuar!
    E ao invés da Reese influenciar ele e tentar melhorar as atuações, a dupla simplesmente além de não funcionar, não tem química nenhuma, e em nenhum momento me convenceu do romance dos 2…
    E vamos combinar q o começo do filme onde aparece um velho(a) e aí começa a contar a história da vida dele(a) pra uma outra pessoa tá mais do q manjada… Nessa hora já me irritei com o filme, mas continuei assistindo… E confesso q me arrependi um pouco…

  20. Eu não concordo nenhum um pouco..para que comparar Água para Elefantes com Titanic?
    realmente acho nada haver essa comparação e muito menos esta critica feita sobre o filme,pra mim não deixou nada a desejar..contou e transpareceu a historia super-bem e tambem foi bem interpretada por todos(a)

  21. concordo plenamente com a critica e tenho de dizer que o filme realmente deixa a desejar, ao assisti-lo nem percebe o momento final de tão direto e monotono.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.