A Verdade Nua e Crua

A Verdade Nua e Crua Filme

Se em Hollywod há espaço suficiente para quantas comédias românticas a temporada conseguir dar conta, pelo menos, A Verdade Nua e Crua tenta conseguir seu pedaço da torta de um modo, no mínimo, digno. Não engana ninguém e, no fim das contas, até acerta.

Robert Luketic, o mesmo que não foi tão bem em Quebrando a Banca e A Sogra, mas que apareceu para o mundo dirigindo o ótimo Legalmente Loira, parece aprender com os próprios erros e voltar a tratar um assunto que fica na corda bamba entre o rude e o riso. Ao invés da menina mimada que resolve mostrar para o mundo que não é só um vestido rosa, agora Luketic mostra que nem o maior dos conquistadores consegue seguir distante das “lógicas” do coração.

Por isso, ao entrar no cinema, é bom estar preparado para um caminhão de piadas de duplo sentido (muitas perdidas na tradução), outras muitas (na verdade quase todas) ligadas a sexo e um tempero machista que pode até ofender um ou outro espectador mais desavisado, mas que, em sua grande maioria, acerta no ponto e cria uma comédia acima da média. Mesmo que para isso Luketic seja obrigado a cair em um ato final arrastado e perigosamente perto de uma chatisse, que, por sí só, não corresponde ao resto do filme, mas que acaba sendo obrigatório ou metade do cinema sairia dele chamando a dupla de protagonistas de porco xouvinista e megera dissimulada.

Na trama, Katherine Heigh (a “megera”) é uma produtora de um programa vespertino de Sacramento, solteirona e totalmente inábil com o sexo oposto, enquanto Gerard Butler (o “porco”), é um apresentador desbocado que ensina seus telespectadores toda arte da conquista. Ele vai trabalhar com ela e entre idas e vindas acaba ensinando-a como conquistar seu novo vizinho boa-pinta. É claro que A Verdade Nua… é mais um daqueles filmes sobre um casal paradoxal que no fim descobre o amor e assina tudo com um beijo apaixonado na frente de uma multidão, mas também é um daqueles exemplos de filmes que conseguem rechear seus noventa e poucos minutos com um humor acertado, bem posicionado dentro da trama, mesmo com um ou outro escorregão, principalmente quando tenta se tornar mais visual, mas acerta, realmente, com diálogos ágeis e precisos.

Mas talvez, grande parte desse acerto fique nas costas do casal de protagonistas, que seguram muito bem seus personagens e faz de tudo para não deixá-los antipáticos, já que o roteiro não parece tentar fazer muito para que isso não aconteça (daí todo desespero em fazê-los simpáticos na conclusão do filme). Muito embora, o mesmo roteiro até tente, em vão, humanizar os protagonistas, de um modo preguiçoso, com a presença de um sobrinho do apresentador e do modo como a produtora olha para a dupla. Um esforço que só dá resultado pela simpatia do casal diante da tela.

No fim das contas, A Verdade Nua e Crua faz o que é preciso para ser uma comedia acertadinha, arrancando boas risadas e fazendo o espectador do filme sair satisfeito do cinema, mesmo que vá esquecer de tudo muito antes da próxima temporada de filmes, pelo menos assim, abrindo lugar em sua memória para mais uma comédia romântica.


The Ugly Truth (2009) Direção: Robert Luketic, com: Gerard Butler e Katherine Hieghl


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.