Antes de qualquer coisa, esse quarto X-Men tinha cheiro de desastre. Os trailers mostravam um visual esquisitamente retrô, os pôsteres pareciam terem sido feitos por algum estagiário pouco habilidoso e o elenco não fazia lá sua parte na hora de empolgar ninguém (ainda que a dupla principal, Fassbender e McCavoy não fosse ruim, mas…). Dirigido por Matthew Vaugh, depois de emplacar o bacaninha Kick-Ass – Quebrando Tudo, X-Men: Primeira Classe acaba então não sendo um desastre (na verdade muito, mas muito mesmo, pelo contrário), justamente pela única coisa que trailers, posters (esses continuaram horríveis) e elencos não conseguem mostrar: unidade.

É bom também lembrar que esse quarto filme dessa “saga mutante” (sem levar em conta X-Men Origens: Wolverine) acerta muito mais que os outros três, justamente, por ter uma história para contar e um monte de gente navegando nesse mesmo barco. Não um ou dois personagens e um vilão, X-Men: Primeira Classe é um filme sobre uma situação, sobre a gênese de uma mitologia que é muito maior do que alguns dólares.

Aqui, o roteiro escrito pelo diretor em parceria com Jane Goldman (com a qual compartilhou os textos de seus dois últimos filmes), além de Aslhey Miller e Zack Stentz (de Thor), vai lá atrás, durante os anos 60, para contar a história de como começou, e acabou, a amizade entre o professor Charles Xavier e Eric Lehnsherr (Professor X e Magneto). Xavier (vivido por James McCavoy, sempre simpático e aqui exalando uma confiança ainda maior para o personagem) é um geneticista formado em Oxford que acaba sendo contactado pela CIA para ajudar na captura do mutante Sebastian Shaw (vivido pelo convincente Kevin Bacon), líder de uma espécie de poderoso clube que parece está “jogando” com a Guerra Fria.

Do outro lado, Lehnsherr (Michael Fassbender que cria um personagem completamente visceral) segue para o mesmo objetivo, mas para se vingar desse mesmo homem, que na verdade, em sua infância em um campo de concentração, matou sua mãe e fez dele seu “projeto científico”. Da união dessas duas personalidades, desses lados de uma mesma moeda (como Vaugh não cansa de mostrar) é que surge, não só a primeira formação desses heróis, como toda uma mítica a ser usada.

X-Men: Primeira Classe parece, diante disso, pegar um caminho menos “popular” do que aquele que a franquia sempre se manteve. Bem verdade, tirando o próprio nome e algumas poucas referências (como a divertida participação do Wolverine vivido por Hugh Jackman), Primeira Classe tem personalidade suficiente para, muito mais que o primeiro filme, manter viva essa história, já que, diferente dele, aqui tudo é tratado como real, vivo, fazendo parte de um cenário muito maior e preocupado, muito mais, com a profundidade daquilo que está na tela.

É fácil entender por que Eric vira Magneto e não por tratar o personagem como um simples vilão, mas sim por lhe dar razões e fatos para que quando ele, diante de um jogo de xadrezX-Men: Primeira Classe com Xavier, diga que “a paz nunca foi uma opção”. É mais interessante ainda, perceber o quanto Vaugh e seu filme se esforçam em olhar para o vilão Sebastian Shaw e fazerem seu espectador extrair dele que a personalidade do futuro Magneto se espelhe nisso, ainda que, naquele momento, sua única óptica seja centrada na violência de sua vingança.

Mas o motor do filme de Vaugh não é só isso, mas sim, a dinâmica entre esses dois personagens, como em momento algum ela foi pensada, e que, pela primeira vez, consegue captar a idéia básica dos quadrinhos. Xavier e Lehnsherr nunca foram “tão Martin Luther King e Malcom X” como aqui, e isso dá uma riqueza impressionante para o filme. Um leque de possibilidades onde ambos, mesmo lutando pelo mesmo objetivo, fazem com que seja impossível fazerem isso lado a lado, como em uma moeda, ou simplesmente dos dois lados de um tabuleiro de xadrez.

Se à Lehnsherr sobre a amargura, o ódio e o repúdio de ser segregado (já que sofreu como judeu na Segunda Guerra) à Xavier resta a vontade de agregar, de mostrar para o mundo que todos são semelhantes e que até um cabelo ruivo é uma mutação. Em um bar, acaba usando fatos evolucionários para conquistar uma garota, mas, sutilmente, tenta sim, mostrar que, mais do que uma ameaça, a mutação é algo normal e natural.

É lógico que é em Xavier que Vaugh coloca a responsabilidade de levar o espectador, já que, aparentemente não só ele é o mais experiente entre os mutantes como é também o mais racional, ao mesmo tempo em que, nem por um segundo sequer, deixa que Lehnsherr possa parecer errado (ou irracional), mas sim alguém que tem seus motivos para tais pensamentos.

X-Men: Primeira Classe é exatamente isso: um filme com motivos. Nada ali parece nascer, nem ser encarado, como parte de uma desculpa para uma sequência de ação ou uma reviravolta, mas sim como pedaços dessa história maior. Talvez o golpe final para criar essa unidade entre a história e o espectador aconteça até na habilidade de colocar toda essa trama trançada com um contexto histórico, o da crise de mísseis em Cuba, e não só na luta entre um herói e um vilão.

Ainda, em um enorme acerto da montagem de Eddie Hamilton e Lee Smith (o segundo, responsável pelos dois últimos filmes do Batman e Christopher Nolan, sendo que O Cavaleiro das Trevas até lhe rendeu uma indicação ao Oscar) que mantém, durante todo tempo, um ritmo enorme sem se desgarrar da naturalidade da situação e, ainda por cima, lidando com múltiplas linhas narrativas ao mesmo tempo, sem nunca perder o rumo e o sentido, mais ainda, fazendo um ótimo proveito do modo limpo e dos movimentos precisos da câmera de Vaugh, para ligar seus planos.

É graças a essa sensibilidade com que toda estrutura é tratada que, até uma demonstração forçosa de novos poderes não acabam caindo em uma simples sequência onde são mostrados os dólares gastos com efeitos especiais, mas sim a oportunidade de conhecer esses jovens que constituem essa “Primeira Classe”X-Men: Primeira Classe do Professor Xavier. É lógico que X-Men: Primeira Classe se diverte com esse monte de novos mutantes e poderes, mas faz isso muito mais como uma desculpa para desenvolver esse grupo de personagens, já que até o menos importante, ganha uma enorme profundidade graças às esses pequenos momentos de desenvolvimento. Ao Final do filme, é fácil ter certeza absoluta a respeito de quem é quem naquela história, mesmo com um monte de caras novas, e isso é coisa para poucos filmes.

X-Men: Primeira Classe é claramente mais barato que seus antecessores e tem muito menos estrelas e pirotecnias visuais, simplesmente, por que tem uma história pertinente a ser contada. A personalidade de ser ele mesmo, com a coragem, o respeito e a competência de levar a história dos quadrinhos para a tela, e a responsabilidade de dar início (muito bem sucedido em todos quesitos) mais uma vez a essa história que, para muitos, já parecia gasta. Pois é, não está e se continuar desse jeito, ainda tem muito o que contar.


X-Men: First Class (EUA, 2011), escrito por Ashley Miller, Zack Stentz, Jane Goldman e Matthew Vaugh, a partir da história de Sheldon Turner e Bryan Singer, dirigido por Matthew Vaughn, com James McAvoy, Michael Fassbender, Kevin bacon, Rose Byrne, Jennifer Lawence, Oliver Platt, January Jones, Caleb Landry Jones, Nicholas Hoult e Lucas Till .


Outros artigos interessantes:

32 Respostas

  1. Henrique

    Hoje é dia 28 e nao tem nenhuma critica pra mim esperarei mais tempo 3 de abril eu leio .

    Responder
  2. Henrique

    Carlos McDougle Sarm : AZAZELTA não é um demonio é só um mutante com poderes misticos que foi expulsado de sua cidade por ter pele vermelha e um rabo do DEMONIO ( isolaaa ) em fim : Noturno ( Kart se preeferir ) sim ele é filho dele e msitica.

    eu vou continuar ajudando a todos vcs pq tem gente que tá misturando as historias .

    Responder
  3. Henrique

    Alguem tem algunha critica porfavor bote assim :

    CRITICA PARA HENRIQUE : ………………

    escreva sua critica e eu lerei ela no dia : 28 ou qualquer dia que der pro entrar BJOSS !!

    Responder
  4. Henrique

    Carla ( sobre seu comentario :RUIM )

    BRUNO seu comentario é bom mais o de CARLA nao tem nada a ver .

    1 – o nome é AZAZELTA não AZAZEL .

    2 – ele concerteza namora com mistica até que é baleado e morre e ele é pai de noturno ( kart , se preferir ) e mistica é mãe de noturno . pesquisem nos filmes e desenhos .

    3 – Magneto ( Erik Lansher ) perde os poderes no filme : X-MEM O CONFRONTO FINAL e se arrepende de tudo que ele fez com os mutantes e dá graças a deus ( modo de falar ) que dim morreu com wolverine que enfia as garras de adamantium ( aço reforçado que pode ser mole ou duro dependendo da forma onde está ) maiss bem no finalsinho ele meche a peça de XADREZ . ou seja : os esforços dele nem serviram pra nada só pra MATAR O PROFESSOR XAVIER / xau e bença a todos um beijão e espero ter ajudado CARLA , BRUNO E OS DE CAMAROTE ( sem ofenças ) e pra quem nao assisiu o FILME X-MEM PRIMEIRA CLASSE aki está toda a descrição escrita do FILME ( completo ) :

    Em 1944, na Polônia o jovem Erik Lensherr entorta os portões de um campo de concentração com seus poderes magnéticos enquanto os Nazistas arrastam sua mãe para dentro. Mais tarde, Erik é trazido perante um oficial, Dr. Schmidt (Kevin Bacon), para demonstrar suas habilidades com uma moeda. Quando Lensherr não consegue, Shaw mata sua mãe. Em um ataque de fúria, o mutante solta seus poderes, matando dois guardas e destruindo a sala em que se encontram. No mesmo ano, em Westchester, Nova York, Charles Xavier descobre escondida na cozinha de sua casa a metamorfa Raven, que se torna sua amiga.
    18 anos depois, em 1962, Lensherr (Michael Fassbender) busca Schmidt querendo vingança, enquanto Xavier (James McAvoy) se forma na Universidade de Oxford e se torna especialista em genética. Em Las Vegas, a espiã da CIA Moira McTaggert (Rose Byrne) se infiltra no Clube do Inferno atrás do Coronel Hendry , do exército estadunidense. Lá dentro vê Sebastian Shaw, Emma Frost (January Jones),Maré Selvagem e Azazel (Jason Flemyng), que desaparece com Hendry (que em seguida surge na Sala de Guerra da Casa Branca, onde os Estados Unidos decidem colocar mísseis nucleares na Turquia). Desacreditada pelos seus superiores, McTaggert vai atrás de Xavier para saber sobre mutações.
    Quando Xavier apresenta suas teorias e as mutações dele e Raven (Jennifer Lawrence) na CIA, um agente misterioso (Oliver Platt) revela que a agência tem uma divisão especial pesquisando mutantes. Xavier rastreia Shaw (que mata Hendry demonstrando seu poder de absorver e expelir energia) em seu iate, e salva Lensherr, que fora atrás de Shaw para atacá-lo, de um afogamento. Xavier leva Lensherr para a Divisão X da CIA, que já possui o cientista com pés anormais Hank McCoy (Nicholas Hoult). Com o Cérebro, uma máquina construída por McCoy para que Xavier pudesse encontrar mutantes, Xavier e Lensherr recrutam a stripper alada Angel Salvadore (Zoe Kravitz); o taxista com poderes de adaptação Armando Muñoz (Edi Gathegi), que escolhe o codinome Darwin; o prisioneiro do Exército Alex Summers (Lucas Till), que pode expelir ondas energéticas e atende por Destrutor; e Sean Cassidy (Caleb Landry Jones), que possui grito supersônico e se batiza Banshee. Raven escolhe o nome Mística.
    Enquanto Frost é capturada em Moscou por Lensherr e Xavier ao visitra um general soviético (Rade Sherbedgia), Azazel, Maré Selvagem (Álex González) e Shaw atacam a Divisão X, destruindo o prédio e poupando apenas os mutantes. Angel se une a Shaw enquanto Darwin morre em um último ataque. Em seguida, Shaw usa seus poderes para convencer os soviéticos a posicionarem suas armas em Cuba. O presidente John F. Kennedy reage dizendo que os mísseis que passarem por um bloqueio marítimo na fronteira marinha de Cuba levarão à retaliação.
    Xavier leva os mutantes para sua mansão, onde todos passam por treinamento. McCoy faz uniformes e um jato supersônico, e também se injeta com um gene de Mística que deveria deixar seus pés normais, mas acaba por deixá-lo azul, com traços leoninos e coberto de pêlos. McCoy pilota o jato para o bloqueio, onde Shaw, usando um capacete que o isola de Xavier, tenta garantir a chegada dos mísseis para gerar a Terceira Guerra Mundial e ascender os mutantes ao poder. O cargueiro com os mísseis é destruído, mas Shaw começa a absorver a energia do reator nuclear de seu submarino para criar um ataque ele mesmo. Em um combate, o Jato-X e o submarino chegam à costa cubana. Lensherr infiltra o submarino, e após pegar o capacete de Shaw permite que Xavier o paralize com sua telepatia. Erick Lensherr aproveita-se que Shaw não pode se mover e o mata com a moeda dada a ele no campo de concentração.
    Ao sair do submarino, as frotas atiram mísseis contra os mutantes. Lensherr as pára com seus poderes e começa a enviá-las de volta para destruir os navios, apesar dos protestos de Xavier. Em uma luta, Lensherr pára após defletir uma bala disparada por McTaggart que atinge a espinha de Xavier,deixando Xavier paraplégico.Com remorso, Lensherr foge com Mística, Azazel, Maré Selvagem e Angel. Xavier, agora em uma cadeira de rodas, decide abrir uma escola em sua mansão, e finge apagar as memórias de McTaggert, enquanto Lensherr, agora adotando o codinome Magneto, invade a CIA com sua Irmandade de Mutantes para libertar Frost.

    Responder
  5. Henrique

    Concorco Plenamente com vc esse filme é um dos melhores filmes que eu já vi sem falar que eu adoro X-MEN e sou um FÃ tenho todos os DVDS deles ( X-men 1 , 2 o confronto final e a lenda de wolverine e agora esse ) ja assisti todos os episodeos do desenho X-men Evolution e eu adoraria se fizessem : X-MEM PRIMEIRA CLASSE 2 o nome nao é muito bom com o 2 maisss … seria simplismente demaiss++++ e pra quem nao gosta de X-MEM nao deveria nem tar nesse site em fimm é isso XAU E BJSS !!

    Idade do autor do comentario : 12 anos

    Responder
  6. GeeKS

    Adoraria saber quem é a Escarlate, rs

    Não vi esse filme, só vim aqui pois encontrei no google a citação do fillme “GarotO Nota 10” e acabei entrando em busca do que procurava, acabei encontrando o que nem procurava, e inutilmente, pois a “garota” não vai ler este comentário, mas enfim.

    Se cuidem.

    Responder
  7. Carlos McDougle Sarm

    Azazel é um demônio, pai de Noturno e não o Kurt Wagner como a leitora Carla digitou.

    Responder
  8. Carlos McDougle Sarm

    Ah sim, ainda falta muito para a Marvel encerrar seu expediente com os X-mens!

    Responder
  9. Carlos McDougle Sarm

    Para quem acompanha as HQ’s ficou muito fácil de identificar quem é quem. A Rainha Branca e seu Clube do Inferno que foram tímidos no filme, mas não exatamente como Clube do Inferno.

    Este foi o melhor filme do legado X-men, eu que sou fã e acompanha as HQ’s desde que a Editora era a Abril, antes mesmo de eu nascer e herdar as antigas HQ’s de meu pai e tios.

    A Marvel ultimamente anda acertado nos roteiros e efeitos… IM2, Thor, Capitão América, XM:FC e o filme mais esperado deste ano de 2012… Os Vingadores. Este filmes estão no mesmo nível.

    X-Men: First Class apesar da história não bater com as HQ’s não deixou a desejar.
    Se todos os filmes fosse iguais a HQ’s, não seriam filmes e sim animações!

    Adptação de roteiro, aliás, na vida real à limites e no papel usando o lápis e imaginação, não há!

    Responder
  10. Carla

    Não concordo com a crítica acima. O filme está muito longe das histórias verdadeiras…Apenas alguns personagens estão realmente de acordo com a continuação da história.
    Quem escreveu o filem deveria ter pesquisado muito mais a história real de cada personagem. Um exemplo disso é o Noturno, que nesse filme está como Azazel…esse mutante só deveria aparecer ANOS depois, como sendo o filho da Mística! Ficou muito a desejar, me decepcionei com as falhas e os erros que ocorreram no contar da história…Quem não conhece a verdadeira história dos Xmem, realmente deve ter achado incrível…mas os que como eu, a conhecem…ficou muito a desejar!

    Responder
    • Vinicius Carlos Vieira

      carla, livros/quadrinhos e cinema são como laranjas e maças, os dois podem ser bons, mas com gostos completamente diferentes….

      Responder
  11. GUILHERME S.

    Filme massa. Poderiam filmar aquela história do Wolverine e Destructor.

    Responder
  12. fabíola 100% são paulina

    por nada Bruno ficou legal mesmo um abraços para todos vcs ,beijosss!!!!

    Responder
  13. bruno

    valew fabíola mesmo com esse erro o filme é muito bom sim………….

    Responder
  14. Leonardo

    ASSISTI O FILME X-Men: Primeira Classe , SERA QUE NO PROXIMO FILME ENTRARA A PARTICIPAÇÃO DE PERSONAGEM ELISABETH BRADDDOCK CONHECIDA COMO PSLOCKE ??

    Responder
  15. fabíola

    muito bom adorei concordo com vc Bruno sua critica ficou ótima mas adoro x-men é muito massa isso eu não nego eu vi em 3D não fez muita diferença quero ver mesmo em 5D eu vou amanhã ver diz que é muito bom e real pq eu não acho 3D muito real pq quase todos filme que eu fui ver no shopping em 3D não foi muito real como: piratas do caribe,trasformers,x-men etc muitos outros mas adorei o filme e seu comentario bruno beijossss

    Responder
  16. bruno

    O filme é bom só que no (X-Men Origens: Wolverine) o professor Xavier aparece no final pra resgatar os mutantes até que ele guia o ciclope até a nave, e nessa hora ele aparece já um pouco velho, careca e ele ainda está andando, ou seja ele não esta de cadeira de rodas.
    já no (X-Men: Primeira Classe) no finalzinho que ele tenta impedir magneto de jogar os misseis contra os soltados mas não consegue, ai vem a agente da cia e tenta matar magneto com vários tiros, e sem perceber magneto desvia uma bala que acaba atingindo Xavier, o deixando sem o movimento das pernas e assim o obrigando a usar a cadeira de rodas.
    Essa cena de (X-Men: Primeira Classe) foi feita errada já que no (X-Men Origens: Wolverine) ele aparece mais velho e andando, e no (X-Men: Primeira Classe) ele fica de cadeira de rodas quando ainda está novo.

    Me desculpe se eu estiver errado.

    abraços !!!!!!!!!!!!

    Responder
  17. Red

    Assisti ontem e adorei, e MUITOOO bom! Sem palavras… Recomendo a todos!
    Agora estou assistindo X Men 1 denovo pra entender a historia 🙂
    Abracos

    Responder
  18. Geovani

    Olá a todos!!!
    Gente esse filme é muito bom, eu comprei ele, toda hora eu estou assistindo!!!
    eu gostei muito desse filme…
    Vale a pena assistir sim!!!

    Responder
  19. Escarlate

    Be Agressive! Be Be Agressive! kkkk… Entendi o esquema…
    Não, não “esqueci” q o Fassbender tb estava em Band of Brothers, sei q ele participou tb, apenas não me lembro dele lá, rs… Td bem q assisti a série há um bom tempo… Tenho os DVDs, quero re-assistir em breve, mas é bem longa e cansa um pouco assistir em sequência…
    Não citei os outros filmes dele pq realmente não teve grandes atuações, mas realmente em Bastardos e X-Men ele fez um ótimo trabalho!
    E chega de falar mal do James, hein? Senão não volto mais aqui pra trollar… E nem pra comentar… E mto menos pra elogiar… 😉

    Responder
  20. Escarlate

    Ahn tá… Ok, entendi… Desculpa, mas sou nova nesse meio da trollagem (existe isso?)…
    Vou tentar melhorar… Vamos lá!
    Michael Fassbender está ótimo no filme tb, e só pelo fato de ter feito um filme do Tarantino, já diz algo sobre ele sim! Tarantino pra mim é o mestre! Dizer q a dupla principal não empolga é cretinice!
    E de novo vc ofendendo meu Jamesie… “tudo bem, o James McAvoy dá para se esperar alguma coisa …”? Alguma coisa? Alguma coisa ótima, maravilhosa, só se for, né?
    Um ator onde seu 1º trabalho nos EUA começou em “Band of Brothers”, produzido por ninguém menos q Spielberg e Tom Hanks… Ok, confesso q ele tem tipo 3 falas na série inteira (hahaha), mas enfim, que começo, não?!
    E outra, o nome do “Starter for 10” no Brasil é “GarotO nota 10” e não GarotA! Faça sua pesquisa direito, vc não se diz jornalista? Ou vai dar a desculpa de erro de digitação?
    Melhorou?

    Responder
    • Vinicius Carlos Vieira

      ai sim…. por mais incrível que possa parecer foi errado de digitação (já que o “O” e o “a” ficam um ao lado do outro… vai ver!)…. eu gosto do McAvoy… adorei Band of Brothers (mesmo você tendo esquecido que o próprio Fassbender também trabalhou na série)… mas fora o “Bastardos Inglórios” convido você a ver “300” e “Centurião” (esse último uma prova de que não dá para esperar muito dele em qualquer elenco) ambos com o Fassbender fazendo cara de fodão…. aqui um parêntese, como ficou claro na minha crítica, Fassbender é quase a melhor coisa desse X-Men portanto minha consciencia está limpa quanto a isso. E por fim, agora sim você está seguindo o caminho da trollagem com estilo e propriedade…. Parabéns!!

      Responder
  21. Escarlate

    Vou te trollar Vini… “…e o elenco não fazia lá sua parte na hora de empolgar ninguém…”???
    Tá me chamando de ninguém?! Sinceramente, a única coisa que me atraiu pra ver esse filme foi o James McAvoy (o do Wolverine por exemplo ainda nem vi)!
    Além de lindo, ele é mega talentoso! “Starter for 10” é um dos meus preferidos, rs… Já viu?
    De resto, ok, concordo com vc, rs…

    Responder
    • Vinicius Carlos Vieira

      tudo bem, o James McAvoy dá para se esperar alguma coisa (confesso que gosto de todos filmes que ele fez) e da Jennifer lawrence também (sua atuação em “O Inverno da Alma” é muito interessante também, mas o resto do elenco é pra lá de desesperançoso… Não vi (no Brasil acho que o nome é “Garota Nota 10”) e vou correr atrás para ver… de resto, isso não é Trollar, tem que se esforçar um pouco mais, me chamar de analfabeto, falar que Crepúsculo é o melhor filme do ano, ou algo do tipo, para entrar na minha galeria de trolls… mas agradeço a tentativa…

      Responder
  22. Danielle

    Achei essa crítica muito boa, me deu mais vontade de assistir o filme…

    Responder
  23. ricardo estefani

    QUANDO VOCES VAM FICAR ATE QUANDO PARA AS PESSOAS ASSISTIREM

    Responder
  24. Gabrielle

    Concordo muito com você. X-Men:First Class é um ótimo filme. Com certeza um dos melhores que eu já vi esse ano.
    A forma como a história do Erick (Magneto) foi mostrada tão bem, de uma forma tão perto de quem tava assistindo que eu realmente não sabia pro que torcer na cena final!
    Aliás, o filme todo parece ter o clima de conflito e dualidade da Guerra Fria, né? Dá pra entender se você olhar qnd os quadrinhos foram lançados.
    http://caixasdepandoras.blogspot.com/2011/06/x-men-primeira-classe.html

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.