Um Sonho Possível

Um Sonho Possível Filme

Não adianta, é impossível não ver um diretor assinando um filme como seu (“film by” ou um “´s” seguindo seu nome antes do título) e não parar por um segundo para pensar o quão aquela afirmação pode parecer pretenciosa. Um sonho possível começa seus créditos se dando ao desconhecido John Lee Hancock (que fez, ou cometeu o erro, de O Alamo em 2004), ainda que o filme tenhas varias paternidades, e uma maternidade, muito antes mesmo de alguém lembrar seu nome.

Primeiro de tudo, a do escritor Michael Lewis e seu livro The Blind Side: evolution of a game, que fala sobre uma posição importantíssima dentro do futebol americano, o Left Tackle, e sua criação, assim como conta a história de uma estrela do esporte nessa posição. No filme, em um pequeno clipe logo no começo, você fica conhecendo essa metade “tecnica” do livro, depois disso, é apresentado ao brutamontes Michael Oher, um jovem aparentemente orfão, que, após conseguir uma vaga em uma escola particular do sul dos Estados Unidos, tem seu caminho cruzado com a mãe de um dos alunos, que acaba adotando-o e ajudando-o a entrar no time de futebol do colégio (mais tarde ele se tornaria uma estrela da liga profissional do esporte nos Estados Unidos, a “NFL”).

O que sobra para o diretor é apenas se esforçar para contar essa história interessante do jeito menos doloroso possível, o que, na verdade, nem isso ele consegue, deixando o filme cair em uma falta de ritmo chata e sem emoção, além de uma falta de decisão sobre que caminho tomar. É óbvio que Um Sonho Possível é uma fábula (real) sobre um garoto e uma mulher que precisam atravessar barreiras para conseguirem um objetivo em comum, mas uma inabilidade total, tanto da direção quanto do roteiro escrito por Hancock, não deixam o filme deslanchar para nenhum lado, ora tentando ser um filme sobre esportes, ora um sobre uma família unida para ajudar uma vítima da sociedade e tudo isso esquecendo completamente do peso dramático que toda história pede. Ainda mais quando empurra um terceiro ato quase bizarro, forçado e sem função, já que toda trama já estava formada e indo pelo único caminho que ela poderia ir.

E essa falta de surpresa, no fim, até não prejudica tanto o filme, já que, o que importa realmente é ver esses personagens ultrapassando seus obstáculos: de um lado a dondoca vivida por Sandra Bullock e do outro o órfão, por Quinton Aaron. E logo de cara é preciso falar sobre a batelada de prêmios que Bullock ganhou esse ano com esse papel, um exagero sem igual, já que a atriz não faz nada muito mais que mandar nos outros a sua volta com uma franja de “mãe texana rica” com seu sotaque e mais absolutamente nada. Mas não culpe a atriz, talvez no ápice de sua carreira desde sua ótima atuação em Crash- No Limite (ainda que escorregando em algumas besteiras com Miss Simpatia 2 e Maluca Paixão), já que, aqui, precisa encarar uma personagem com pouca carga dramática e sem muita inspiração do roteiro sem graça e arrastado (provavelmente, o bom resultado em tamanha falta de horizontes é que lhe tenha valido o Oscar). Mas talvez, tal acerto da atriz se deva a atuação sincera do, ex-segurança, Quinton Aaron, com um sorriso verdadeiro e uma atuação esforçada que acabam valendo um pouco o filme.

Um Sonho Possível acaba sendo um filme de anúncios, promessas e expectativas, já que anuncia uma história comovente, mas só entrega uma trama com cara de filme de Disney para passar na Sessão da Tarde, que parece prometer um desenvolvimento emocionante, mas só consegue se arrastar de subtrama em subtrama (leia-se obstáculos) e que fará, por fim, muita gente esperar uma atuação descomunal de Sandra Bullock, mas vai apenas dar de cara com um trabalho meramente simpático. Mas acima de tudo isso, um filme que deveria ser lembrado como um momento de insanidade temporária dos famosos “velinhos da Academia” ao deixarem um filme tão sem graça usar “indicado ao Oscar de Melhor Filme” na capa de seu DVD (além de um aviso que, nem sempre assinar um filme como seu é uma boa coisa, ainda mais quando ele poderia ser esquecido).


The Blind Side (EUA, 2009) direção: John Lee Hancock com: Sandra Bullock, Tim McGraw, Quinton Aaron, Kathy Bates


Outros artigos interessantes:

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *