Depois de uma espécie de prólogo desnecessário, mostrando uma batalha entre os robozões em algum lugar à alguns milhares de anos atrás, o que se pode esperar de Tranformers 2- A vingança dos derrotados é apenas alguma coisa sintonizado com esse começo pré-histórico: algo desnecessário.

Desnecessário talvez seja até uma palavra um pouco forte demais, já que essa sequencia do blockbuster de dois anos atrás se mostra até melhor em alguns pontos, mas mesmo asssim, ainda longe de se apresentar como algo minimamente coerente. É como se nada parecesse fazer sentido dentro de um visual embasbacador. Não, isso não é um elogio a Michael Bay, que até esboça ter melhorado em um outro aspecto desde o primeiro, mas parece teimar em erros crassos.

Tudo está enorme, os robôs de ambos os lados estão maiores, mais cheios de detalhes e com um exposição muito maior na tela, e ai está, talvez, o único acerto de Bay, que parece ter aprendido a compor melhor as batalhas entre os gigantes de metal, que no primeiro, na grande maioria das vezes, se mostravam confusos e muito grudados na câmera. O trabalho sempre impressionante da ILM (Industrial Light an Magic, empresa de efeitos visuais de George Lucas) mais uma vez enche os olhos da platéia com seus efeitos especiais (leia aqui unicamente digitais).

O problema de Tranformers 2: A vingança dos Derrotados é todo o resto: das atuações risíveis até à direção de arte pouquíssima inspirada, passando pela sempre problemática direção de Bay e dando de cara com um roteiro pífio cheio de apostas que dão de cara no muro.

Nele, enquanto os Autobots (bonzinhos) se juntaram ao governo dos Estados Unidos em uma caçada aos Decepticons (bandidos) que se desgarram ao final do primeiro filme ao mesmo tempo em que traçam um plano para sua vingança contra a humanidade. Na verdade, eles se dizem atrás de uma tal de “Matriz” que alimentaria seus “bebês” no seu planeta de origem, mas não se assuste se no fim o plano se transforme na pura e simples aniquilação total da raça humana com a destruição do sol ou ainda, a vingança contra Optimus Prime (aquele que se transforma em um caminhão azul e nas horas vagas é lider dos Autobots).

Enquanto isso, Sam, mais uma vez vivido por Shia Labeouf, entra na faculdade e tenta ser um “cara normal com problemas de gente normal”, mas acaba sendo arrastado para dentro da trama quando se descobre sendo o único que pode achar a tal “Matriz”. Mas não acabou ainda, esse quase épico robótico ainda mostra o governo de Barack Obama pondo em xeque a parceria dos robôs com seu exército.

Diante de tudo isso, só resta a Michael Bay criar o samba do robô doido, e isso ele faz com maestria enquanto não está em processo de autofagia rodando, enjoativamente, a câmera em volta dos personagens, ou passando com ela por buracos na parede, repetindo duas coisas que parece ter descoberto ao fazer Bad Boys 2. Como uma criança mimada repetindo a mesma piada. Além disso, Bay parece não ter senso narrativo, fazendo cada sequencia do jeito mais climático possível, até Shia saíndo do carro ganha status de fim de filme em slow motion, um apreço visual totalmente perdido, que parece não levar a lugar nenhum, com ângulos baixos e movimentos de câmera modernosos até nas mais corriqueiras conversas entre personagens. Para Michael Bay, cada frame é um evento, tirando assim a atenção dos momentos onde ele precisa desse peso visual. Uma verdadeira faca de dois gumes que ele ainda não parece ter aprendido a manipular.

E não é só isso, todo resto parece ter a mão de Bay nesse sentido, sequencias e mais sequencias de passagem poluem o filme a cada instante. Aviões decolam, barcos deslizam pelos mares, militares falam em seus rádios e pessoas andam pelas ruas tomando café em París, tudo de um jeito quase apoteótico que parece ter feito a felicidade de qualquer Extra. Deixando a impressão de que, se retiradas todas essas passagens e todos slow motions, o filme perderia boa parte das suas longuíssimas duas horas e meia. Cortando ainda todas repetições do roteiro, Transformers 2 seria um curta metragem.

Escrito pela mesma dupla do recente Star Trek, Roberto Orci e Alex Kurtzman, ainda com a participação de Ehren Kruger, o roteiro parece teimar em mostrar, depois um tempo comentar, momentos depois lembrar e por fim, remoer quase tudo que aparece na tela. Personagens repetem a exaustão seus planos, descobrem no mínimo um trio de vezes onde está a tal “Matriz” e não se cansam de contar o passado dos robozões na Terra. Logo depois do prólogo pré-histórico, que é mostrado e comentados algumas vezes, um outro prólogo em Xangai explica a nova aliança dos Autobots, para logo em seguida ser repetido por um personagem em uma aparente falta total do que colocar dentro do filme. Se bem que, provavelmente em um dúvida cruel para o espectador, ou era isso ou alguma coisa sendo explodida por Michael Bay.

Agora, se você não gosta de filmes de ação, não se preocupe Tranformers 2: A vingança dos Derrotados ainda tenta ser comédia, já que todos Autobots resolveram tentar uma vaguinha em algum programa humorístico. Cheios de tiradas engraçadinhas durante as batalhas e a regra de que quanto menor o robô maior é seu alívio cômico,  tudo ainda parece saído de alguma parceria com Eddie Murphy (não se sabe se os roteiristas ou os robôs), presenteando os espectador com uma piada relacionada a flatulência robótica e ainda uma outra com orgão genitáis de um dos robôs. Ambas com direito a imagens.

Na verdade, tudo isso parece apenas um desvio de atenção para ninguém olhar para o namoro apaixonado entre Sam e Mikaela, vivida (deslumbrantemente em beleza, dolorosamente ruim no campo da atuação) por Megan Fox, esse romance sim, a maior mentira do filme. E que venha o terceiro.


Transformers 2- The revenge of the fallen (2009) escrito por Ehren Kruger, Roberto Orci e Alex Kurtman, dirigido por Michael Bay, com Shia Labeouf, Megan Fox, Josh Duhamel, Tyrese Gibson e John Torturro


Trailer – Tranformers 2- A Vingança dos Derrotados

Outros artigos interessantes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.