Em dois momentos de Sobrenatural o título original, Insidious (que na tradução literal ficaria Pérfido, que, sem dúvida nenhuma, seria muito mais bacana), reina sozinho na tela, com uma fonte “demoniacamente” rebuscada em um vermelho cobre que parece vir de algum canto do inferno. No começo e no fim, como se embalasse o filme de modo clássico, como o cinema de décadas atrás sempre fez. E talvez seja isso que Sobrenatural mais tente fazer: dar uma volta clássica pelo gênero.

Nela, o diretor James Wan e o roteirista Leigh Whannell (dupla que foi responsável pelo primeiro Jogos Mortais) parecem preocupados em fazer esse filme sobre espíritos, casas mal assombradas e famílias pegas no meio desse terror, como um milhão de outros exemplos, mas, mais ainda, como aquele monte que fez tantos fãs antes dos fantasmas de olhos puxados e sequências dominarem os cinemas (ainda que esses do outro lado do mundo tenham bebido nessa mesma fonte). O problema é não terem coragem de extrapolar isso (com Sam Raimi fez recentemente em “Arraste-me para o Inferno”) e muito menos apostar que só isso pudesse ser o suficiente para acertar em cheio.

A impressão que fica é que, durante a maioria do tempo Sobrenatural é um suspense sobre fantasmas, um terror até, (por mais que isso seja discutível) sobre uma família que vê o filho entrar em um coma misterioso e acabam desconfiando que sua nova casa esteja sendo mal assombrada, tudo junto (o que não deixa dúvidas para o espectador que uma coisa tem a ver com a outra, e talvez nem fosse essa a idéia). Contar mais que isso, talvez seja demais sobre o andamento do filme (por mais que o trailer e o pôster não tenham esse cuidado), mas, ainda assim, Sobrenatural sobrevive com esse ponto de partida e, quem conseguir embarcar em seu clima, vai acabar ganhando um interessante filme de terror (ai sim sem discussões).

Um violino quase fora de tom arranhando a trilha sonora, um sótão, muito barulho, sombras e reflexos, tudo esta lá (além de um terceiro ato que mergulha até o pescoço nesse terror que, até antes disso apenas esbarrava em algo… sobrenatural) só restaria então a Wan e Whannell juntar isso com a trama do parágrafo anterior para acertar na mosca. Porém, é essa mistura que mais prejudica o ritmo do filme, que acaba desandando um pouco, como se existisse uma certa obrigatoriedade de parar tudo, em alguns momentos, para explicar, discutir e prever o próximo passo. Um cuidado excessivo em não afogar demais seu espectador nessa ânsia de terror, dando-os tempo para descansar entre alguns sustos telegrafados demais, o que enfraquece demais o resultado final.

Mas por outro lado, são justamente esses sustos, na verdade os momentos anteriores e posteriores a eles que mais carregam Sobrenatural, já que, na maioria do tempo, esses instantes são extremamente bem tratados pelo diretor, que tem a total consciência que é ai que seu filme pode mais sobreviver. Ainda mais quando aposta em aparições físicas e não resultantes de computação gráfica.

Wan escolhe, justamente, o mesmo caminho que os filmes de terror japoneses escolheram nos anos 90: criar o terror diante do real, não pelo canto do olho, mas encarando esses fantasmas de frente, sem escondê-los da câmera (ainda mais quando aquele terceiro ato, que eu já citei, depende disso). Um pequeno garotinho dançando no meio de uma sala pode não ser nada, ou, simplesmente, um daqueles momentos arrepiantes que farão de Sobrenatural um pedida na medida, não só para os fãs do gênero, mas para todos aqueles que sentem falta de poderem ter medo de um fantasma e não de sua sombra. Ainda mais quando, ao seu fim, como um bom e velho filme de terror/assombração/demônio o espectador descobre que, para tudo dar certo no fim, o melhor mesmo é que tudo dê errado para seus personagens.


Insiduius (EUA, 2010), escrito por Leigh Whannell, dirigido por James Wan, com Patrick Wilson, Rose Byrne, Ty Simpkins, Barbara Hershey e Lin Shaye. 


trailer do filme Sobrenatural

Outros artigos interessantes:

20 Respostas

  1. Sabrina Marques Nunes

    O filme é muito bom em sie respondendo você Rodrigo, a velha feia é o fantasma que tomou o corpo do pai, daí onde desencadeia a ideia de que o filme tem continuação, como já esperada, saiu a um tempinho.

    Responder
  2. rodrigo

    e o que era aquela veia segurando uma vela?
    um fantasma de alguem
    um demonio
    se puder de sua resposta

    Responder
    • Vinicius Carlos Vieira

      (SPOILER!!)

      …faz um tempão que vi o filme, mas pelo que me lembro a “veiafeia” é um fantasma, e sim possui ele no final do filme… Demônio é o que aparece antes.

      Responder
  3. rodrigo

    TB nao intendi o final do filme.
    a veiafeia que sigura a vela possuiu o pai de Dolton.

    Responder
  4. Anderson Kozama

    No começo do filme eram cenas de algo sobrenatural mesmo,coisas se mechendo,barulhos ,conversar ,mas quando começa com cenas aparecendo diabo,o cara saindo do seu corpo e indo buscar o filho e no fim a causa de tudo aquilo é o pai do moleque que desencadiou tudo que acontecia.

    nota 7,0

    Responder
  5. Andressa Bitencourt

    eu não tive medo achei o filme até fraquinho comparado com o que o Leigh e o Wan sabem fazer, mas gostei do demoninho kkk parece mais um indio sei lá, e o personagem do leigh é interessante pq me lembra os winchester + os caça fantasmas, é legalzinho mas eu não compraria pra ter em casa.

    Responder
  6. gabriel

    eu n tive muito medo, só em duas partes mas enfim… gostei mt mas estou indignado pq eu n entendi o final, n pode acabar com a velha no corpo do pai.. oq houve com a alma dele eu ainda n estou aceitando muito bem o filme pq eu queria uma final normal…. e ele (possuído) matou a medium que por sinal era mt phoda… mas enfim se alguem puder mande-me um email para explicar esse final…
    indiano_umbrellacorporation@live.com

    Responder
    • Luke Novaes

      indino_umbrellacorporation kkkkk.
      Você passa esse e-mail nos curriculos? Rsrs

      Responder
  7. Drica

    Gostei do filme, a muito tempo ñ assistia um filme de terror tão bom. Teve momentos realmente assustadores.
    Estou ansiosa pelo próximo filme de James Wan ( The Warren Files) ,espero q ele acerte novamente.

    Responder
  8. jacqueline santos

    Nossa , o melhor filme de terror , apesar de nao ter tantos que o fator pricipal seja a Projeçao Astral …. maiis esse filme é muito bom mesmo . A trilha sono er muiito bizarra #medo

    Responder
  9. barbara

    oi eu gosto muito de vcs eu queria que vcs voutasem a faser filmes de novo na tv amo voces beijos

    Responder
  10. adylla

    ola eu sou fan de vcs eu gotaria que voces voutase a passar os filmes de vouta na teve naoimporta o canal sempre vou asistir vcsbeijos

    Responder
  11. Juninho San

    É um filme muito bom…mas a mascara do demônio parecia com mascara de carnaval….e no final o monstro do além é o DIABO…..Enfim,o filme é o melhor do ano….mas não supera o exorcista

    Responder
  12. Giovana Leopoldo

    Assisti o filme hoje e AMEI esse filme é mto bom ASSISTAM!
    Dei varios sustos e gritos , então ta ai a dica 🙂

    Responder
  13. Priscila Carina

    Acabei de de assistir o filme e Deeeuuuuuuus é o melhor filme de terror deste ano !
    A TRILHA SONORA É BARBARA assusta mesmo !!!!!!!!!!!

    Responder
  14. Felipe Leandro

    Sen duvida foi um dos melhores filmes de terro q eu ja assisti! fui no cinema ver e é muito assustador gostei d mais ainda mais eu q gosto dessas coisa

    Responder
  15. Neves

    Musica do filme SOBRENATURAL! Para quem assistiu Sobrenatural o filme ou INSIDEOUS (nome em inglês) Eu queria muito a musica que toca no filme em algumas cenas…. Aquela musica que a mulher escuta quando ve um menino dançando dentro da casa e tbm aparece no final quando estão no além fugindo do demônio da cara de fogo.. Musica Bizarra..

    Responder
  16. marilia

    Nossa é um filme muito assustador!
    Na noite em que assistir n conseguir
    dormir direito.Nossa tem um conteundo
    sobrenatural mesmo!

    Responder
  17. Tiago Souza

    É interessante a forma que se “desenrola” o filme. Muito embora, achei meio “Power Ranger” demais a ideia do pai salvar o filho :/
    Enfim, falando de susto e medo, que é o que o filme mais quer passar. Fica uma mensagem muito peculiar no roteiro do mesmo, não de ter medo somente daquilo que se pode ver de frente, mas um medo repentino do que pode existir sem que possamos enxergar.
    Fica claro com o passar das cenas que o medo posto na trama está realmente no que é SOBRENATURAL, no que existe dentro de nós.
    Resumindo todo esse blá blá blá, é MUITO BOM O FILME!
    Mexe com o psique!
    Adorei!

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.