Rio 2

Depois de prestar sua homenagem ao Rio de Janeiro no simpático Rio, o diretor Carlos Saldanha leva suas araras azuis para a outra paisagem brasileira que o público estrangeiro conhece, a Amazônia. O resultado é Rio 2, uma sequência desnecessária que se Rio 2 Posterlimita a repetir a narrativa do primeiro longa, apenas pontuada por um ocasional carisma.

Ainda pouco acostumado com a rotina de uma reserva animal, e não mais como animal de estimação que via televisão e dividia a comida com a dona, Blu agora tem uma família com Jade, e eles acreditam ser as últimas araras azuis do planeta. Em uma expedição à Amazônia, porém, o ornitólogo Túlio e sua esposa, Linda, a dona de Blu, descobrem indícios da existência de uma colônia daqueles pássaros na região. Empolgada com a possibilidade de que não sejam os últimos, Linda convence os filhotes e o neurótico Blu a partirem para a Amazônia em busca da colônia.

Enquanto Jade, criada em cativeiro, busca conhecer as florestas do Rio e encontrar, por exemplo, fontes de comida para a família, Blu e os filhos ainda preferem o conforto do lar humano, onde comem panquecas e escutam músicas em um iPod. Este, portanto, é um dos principais temas de Rio 2, ao lado do desmatamento – da mesma forma que Blu conhecendo a capital carioca depois de crescer em um frio estado norte-americano e o tráfico de animais eram o foco do longa original. Desta forma, é perceptível que Saldanha e o co-roteirista Don Rhymer criaram esta sequência sem muita preocupação em evoluir a história, que surge como uma versão reciclada e apenas com uma ambientação diferente.

Até mesmo o antagonista resurge: a cacatua Nigel, que não pode mais voar depois do acidente que sofreu no final do primeiro filme, agora mora em Manaus e “trabalha” lendo a sorte para turistas. O pássaro protagoniza bons momentos quando o filme aborda sua teatralidade e tendência para o drama, como quando ele performa uma versão de “I Will Survive”, mas o personagem não acrescenta nada à trama principal, e a subtrama da rã que é apaixonada por ele é totalmente descartável e serve apenas para preencher o tempo. O cargo de “vilão perigoso” fica com o dono da madeireira responsável pelo desmatamento da região da floresta onde vivem as arara, que é um personagem totalmente esquecível e abordado muito superficialmente para realmente funcionar como vilão.

Rio 2 Filme

Já no aspecto técnico, a excelência permanece: o design de produção aproveita ao máximo as cores e paisagens da floresta amazônica e cria imagens belíssimas até mesmo de outros lugares do Brasil, ao ilustrar a viagem da família de araras azuis até o Amazonas, apresentando o público às cidades pelas quais eles passam. As cores fortes também são bem trabalhadas nas sequências musicais, como na canção que a rã canta sobre Nigel – que, apesar de esteticamente bonita, não acrescenta absolutamente nada ao filme. E, mesmo existindo mais por obrigação do que por necessidade narrativa, a sequência que traz uma partida de futebol entre as araras azuis e as vermelhas será, devido às cores dos pássaros, particularmente divertida para os espectadores gaúchos.

O longa é prejudicado também pela pouca atenção que dá a seus personagens. Unicamente preocupado com a questão da falta e da tentativa de adaptação em um novo ambiente, o roteiro pouco se aprofunda na relação entre Jade e seu pai (a família dela não é mencionada no primeiro filme), ou no divertido – e traumatizado por humanos, como mencionado de passagem em uma sequência – Roberto. Ao invés disso, os realizadores preferiram investir – mais uma vez, sem profundidade – na batida história do marido que tenta impressionar o pai da esposa.

Simpático e bonitinho demais para ser considerado ruim, Rio 2, assim, estabelece-se como uma sequência desnecessária e um bom passatempo que, porém, será esquecido minutos depois do final da sessão.


Rio 2” (Estados Unidos, 2014), escrito por Carlos Saldanha e Don Rhymer, dirigido por Carlos Saldanha, com as vozes (no original) de Jesse Eisenberg, Anne Hathaway, Rodrigo Santoro, Leslie Mann, Jamie Foxx, Jemaine Clement, Kristin Chenoweth, Amandla Stenberg, Andy Garcia, Bruno Mars e Will i Am.


Trailer do filme Rio 2

Outros artigos interessantes:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *