O editor deste site, o Vini, me convidou para escrever uma coluna que relacionasse cinema e música – ou rock, já que não ouço música, ouço rock. Ok, tarefa fácil, mas qual o mote? “Descubra”, diria os confrades do Cenas Lamentáveis.

Teríamos aqui uma porção de possibilidades, e ao invés de optar por uma, vamos usa-las todas, assim podemos falar do que der na telha.

Por exemplo, semana passada (mais precisamente no sábado, dia 30) tocou em São Paulo a banda punk inglesa The Adicts. Em sua terceira visita ao país, Monkey (voz) e seus comparças trouxeram seu ‘horrorshow’ para o palco do Carioca Club. E o que isso tem a ver com cinema? Tudo. O Adicts usa como visual, o uniforme dos droogs do Laranja Mecânica (“Clockwork Orange”), clássico dirigido por Stanley Kubrick. Olha só:

As referências cinematográficas no rock são inúmeras, isso sem falar obviamente em docs e biografias. Outro exemplo interessante e referência é esse videoclipe aqui do Audioslave, de “Show Me How To Live”, baseado no filme Corrida Contra o Destino (“Vanishing Point”, de 1971).

(trailer Corrida Contra o Destino)

Aliás, outra banda que usou o “Vanishing Point” como referência foi o My Chemical Romance, com o videoclipe de “Na Na Na”, faixa do disco “Danger Days”:

(clipe My Chemical Romance)

Outra referência visual bem famosa são as cenas do O Iluminado (“The Shinning”, 1980) no clipe de “Spit It Out”, primeiro single de sucesso do Slipknot. Saca só:

(clipe Slipknot)

Inclusive gostaria de pontuar que o trailer dessa obra prima de terror dirigida por Stanley Kubrick, à partir de uma obra do “mestre do terror” Stephen King, é o mais incrível da história. Seu minimalismo beira o doentio.

(trailer O Iluminado)

E falando em King, seus trabalhos sempre renderam boa inspiração para músicos criarem sua arte. Um dos encontros mais notáveis se fez quando o escritor, fã confesso, convidou os Ramones para fazerem a música tema da versão cinematográfica do clássico Cemitério Maldito (“Pet Sematary”, 1989). Lembra dessa?

(clipe Ramones)

(trailer Cemitério Maldito)

Mas é importante lembrar, a referência as vezes não é apenas visual, tem a ver com a temática, as vezes tem só mesmo um título, uma citação, uma metáfora, como nesta música da banda hardcore Good Riddance, “More DePalma, Less Fellini”.

(música Good Ridance)

E falando em Fellini, o importante cineasta italiano diretor de clássicos como  e Satyricon, serviu como inspiração para o nome de uma cultuada banda pós-punk. Formada por Cadão Volpato, Jair Marcos, Ricardo Salvagni e Thomas Pappon. O Fellini foi um dos mais relevantes nomes da vanguarda musical paulistana dos anos 1980, e inclusive farão shows de reunião no próximo mês de março. Quem não conhece, a chance é essa:

(clipe Fellini)

Ainda no ramo do cinema surrealista, uma das obras mais festejadas é o francês Um Cão Andaluz (“Un Chien Andalou”, de 1929). Dirigido/escrito em uma parceria de Luis Buñuel e Salvador Dalí, o filme foi a inspiração para a música “Debaser”, clássico do grupo de rock alternativo Pixies. Segundo seu vocalista e compositor, Black Francis, “Un chien andalou degrada a moralidade e os padrões de arte”, e por tal recebeu a homenagem do conjunto de Boston, e é também o nome desta coluna que começa agora. Vamos juntos nessa?

Essa foi só pra esquentar. Meu nome é Wladimyr Cruz e nos veremos aqui todo mês no Cinemaqui.

(clipe Pixies)

(trailer Um Cão Andaluz)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.