Em seu terceiro longa-metragem, o diretor Derek Cianfrance (que, ao lado de Ben Coccio e Darius Marder, também escreveu o roteiro) mostra mais uma vez que é um realizador competente e que sabe conduzir a história que conta com confiança. O cultuado indie O Lugar Onde Tudo Termina (The Place Beyond The Pines) PosterNamorados para Sempre é um bom filme e já mostrava o talento de Cianfrance, mas este O Lugar Onde Tudo Termina é bastante superior e o estabelece como um realizador cuja carreira merece ser acompanhada.

Com uma estrutura interessante e corajosa, o longa acompanha uma história que se estende por mais de quinze anos a partir do momento em que o motoqueiro Luke Glanton (Ryan Gosling) reencontra Romina Gutierrez (Eva Mendes). Após um breve romance, ele descobre que ela, que vive com o parceiro e a mãe, acabou de ter um filho seu. (E aqui começam alguns Spoilers!) Ele então passa a roubar bancos, buscando oferecer uma vida melhor para Romina e o pequeno Jason. Após se descontrolar e atacar o atual parceiro dela, Luke se descuida em um assalto e acaba sendo morto pelo policial Avery Cross (Bradley Cooper).

Isso tudo acontece na primeira hora do filme e, a partir de então, passamos a acompanhar Avery, que, considerado um herói por ter pego Luke, tem que lidar com o fato de ter matado um homem que tinha um filho da idade do seu, algo que o tormenta para o resto da vida (ao conversar com seus colegas no hospital, ele logo pergunta se Luke havia deixado alguém). Ele deve também reaprender a lidar com o próprio filho, para quem mal consegue olhar depois depois de descobrir que o filho do homem que matou crescerá sem o pai.

E este é o foco da terceira e última trama, que, quinze anos depois, lida com as consequências que as ações de Luke e Avery tiveram para seus filhos, respectivamente, Jason (Dane DeeHan) e AJ (Emory Cohen). Se o primeiro cresceu com a mãe, um homem que cuida dele como um filho desde que nasceu e uma irmã, mas sempre quis saber o que aconteceu com o pai (Romina apenas disse a ele que ele morreu em um acidente de carro), AJ lida com um pai distante que, atualmente concorrendo a procurador geral, deu-lhe pouca atenção mesmo antes de se separar da ex-esposa, Jennifer (Rose Byrne).

A estrutura funciona tão bem porque Cianfrance toma um grande cuidado para que elas se entrelacem e impactem umas nas outras. Repleto de rimas visuais, além de narrativas, vimos pessoas diferentes realizarem ações parecidas, e escolhas parecidas afetando de formas diferentes. Um semáforo mergulha o rosto de Luke em luz vermelha antes de um assalto e, depois, as luzes traseiras do carro de um policial que ameaçava Avery faz o mesmo com ele. Ambos realizam o gesto de entregar um saco de dinheiro a Romina e dizer a ela que depois disso ela não precisa mais vê-los. Minha preferida são as duas primeiras tomadas de Jason depois que este descobre mais sobre o pai: o garoto anda de bicicleta por uma estrada, assim como o pai havia feito com sua moto e, em seguida, aparece no centro do quadro, de costas, caminhando pelo corredor da escola, remetendo à abertura do filme, em que Luke ia por um parque de diversões com o mesmo enquadramento. (E aqui o fim dos spoilers!).

O Lugar Onde Tudo Termina (The Place Beyond The Pines) Filme

Separados, cada ato não teria o mesmo impacto. É por conhecermos e, até certo ponto, simpatizarmos com cada personagem envolvido, que nos preocupamos e que entendemos melhor o que está por trás de cada acontecimento: como a vida de Jason desaba quando ele finalmente desvenda a identidade do pai, como a inabilidade de Avery de lidar com o filho após matar Luke impactou a vida do jovem. Além disso, a velha trama do “policial lidando com o fato de ter tirado uma vida” se torna muito mais interessante por conhecermos a vida que foi perdida.

Mergulhado na melancolia desde a pequena cidade em que é ambientado até a excelente trilha sonora de Mike Patton, o filme se sustenta também nas ótimas atuações de seu elenco: Ryan Gosling mostra, mais uma vez, se sair particularmente bem em performances mais contidas, como em Drive; Bradley Cooper aproveita o bom momento em sua carreira após O Lado Bom da Vida; Eva Mendes e Rose Byrne imprimem força a suas personagens e aproveitam ao máximo seus poucos momentos de tela; e o jovem Dane DeHaan se mostra uma revelação. Emory Cohen, por outro lado, exagera em sua fraca atuação, principalmente no jeito de falar de AJ.

O Lugar Onde Tudo Termina é sobre escolhas, consequências e pais e filhos, e seu final deixa claro que sua história não acabou – aquelas pessoas continuaram vivendo e tendo que lidar com suas escolhas e consequências. E a promessa é de que o final não vá ser dos mais felizes.


The Place Beyond The Pines, escrito por Derek Cianfrance, Ben Coccio e Darius Marder, dirigido por Derek Cianfrance, com Bradley Cooper, Ryan Gosling, Eva Mendes, Rose Byrne, Dane DeHaan, Emory Cohen, Ray Liotta e Ben Mendelsohn.


 Trailer

Outros artigos interessantes:

Sobre o autor

Mariana González é jornalista e colaboradora do CinemAqui desde 2013. Além de escrever sobre cinema, tenta se aventurar atrás das câmeras. No Twitter, pode ser encontrada no @mariszalez.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.