Netflix deve lançar 90 filmes em 2019


Quem afirmou isso ai da manchete do artigo foi Scott Stuber em entrevista para o The New York Times. Só para você ter uma ideia, um estúdio já cansado de ser considerado um dos “maiores lançadores”, a Universal, lança em torno de 30 produções por ano.

E se você está achando que isso é uma surpresa, não é. Mesmo sem um release oficial dizendo quantos filmes foram lançados em 2018, foram 78 (contei um por um!), o que demonstra que é um caminho sem volta.

Os números iniciais de previsões diziam algo em torno de 55 filmes por ano, o que não deve levar em conta alguns “filmes adotados”, como, por exemplo Aniquilação, que só acabou saindo com o selo Netflix por uma questão de distribuição. Política que não é tão diferente do que vários estúdios já fazem.

Portanto, pode ficar com os 78 e não se surpreenda se em 2019 essa previsão de 90 não se torne mais de uma centena.

Dando uma olhada por alto, são desde filmes baratinhos até produções de algumas dezenas de milhões de dólares, sem contar, é claro, filmes que já ganharam o respeito de crítica e público como Roma, que ainda deve surgir nas principais premiações de cinema do ano.

Já sobre outra polêmica, Stuber ainda lembra que nenhum estúdio sobrevive só de grandes sucessos acertos e completa: “Nós estamos tentando criar um estúdio que seja excitante para os artistas, e isso significa estarmos abertos para críticas”. Stuber ainda afirma que estão sempre próximos dos realizadores, “se eles dizem que algo não funciona, é melhor que isso seja arrumado, e se para os cineastas isso significar um lançamento nos cinemas para competir em premiações, tudo bem”.

Ainda sobre os lançamentos nos cinemas, Stuber defende o modelo de distribuição da Netflix: “Em um mundo onde os consumidores podem escolher tudo (…) estamos tentando permitir que nossos clientes tenham a mesmo oportunidade de escolha. Por outro lado, achamos imprescindível que, se você não tem acesso a um cinema, ainda tem o direito de ver os filmes sem uma espera muito grande”.

É bom lembrar ainda que em 2019, a Netflix deve lançar tanto um filme de Martin Scorsese, quanto de Steven Soderbergh. O que não significa que só veremos grandes nomes e grandes filmes, mas sim mostra as possibilidade de portas abertas para produções que não encontrariam espaço em grande estúdios e grandes distribuições.

Desses 78 filmes que chegaram à Netflix com seu selo, oito são produções de terror e ficção científica, sem contar o Aniquilição, que é um caso à parte. Além disso, 11 são documentários.

Esse levantamento (também feito por mim, olhando filme por filme, portanto, espere uma ou outra falha de contagem), demonstra o quanto gêneros e tipos de filmes que transitam dentro de um público extremamente limitado, acabam encontrando seus espectadores nessa plataforma de streaming. Fica aqui nossa torcida para que essa “vontade” se espalhe pelos seus concorrentes.

Outros artigos interessantes:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *