É claro que os fãs da série oitentista irão torcer o nariz para a adaptação de Esquadrão Classe A, porém, basta um pouco de boa vontade para conseguir se divertir com esse blockbuster que promete ser uma dos maiores do ano, não só por sua produção cara, mas, principalmente pela assinatura do diretor Joe Carnahan, totalmente à vontade em seu filme.

Carnahan ficou conhecido por sua estreia em NARC, mas vai ser lembrado por seu desastre recente em Carta na Mesa, que na verdade afundou muito mais graças a uma enorme expectativa criada por seu outro filme, mas que, mesmo em todos seus defeitos, provavelmente serviu de ponto de partida para seu acerto com a adaptação da série. Esquadrão Classe A tem o mesmo ritmo alucinante, a mesma falta de respeito com a inteligência do espectador e o mesmo senso de humor, só que tudo isso temperado agora com um quarteto de personagens fortíssimos que, por si só, carregam o filme.

Do mesmo jeito que a série, o diretor sabe que toda sobrevivência do filme depende dos quatro para funcionar, e é por isso que ele aposta todas suas fichas neles, tomando todo cuidado na hora de apresentá-los, investindo em suas personalidades fortes (combinado com um senso de humor bacana) e com isso ganhando metade do filme. A outra metade sobra para uma estrutura caprichada.

Em poucos minutos você ficará completamente à vontade com a liderança e calma do sargento Hannibal (Liam Neeson, correto, porém sem o peso de seu nome em razão de uma exposição exacerbada nesses últimos tempos), da maquina de guerra B.A. Baracus, com seu moicano e sua atitude (vivido pelo lutador do UFC Clinton “Rampage” Jackson), com o charme canastrão de Templeton “Cara-de-pau” Pack (com um Bradley Cooper que decididamente assina o atestado de galão de Hollywood) e, por fim, pelo piloto maluco e sem noção Murdock (Sharlto Coplan, que surge depois de seu sucesso no ótimo Distrito 9). Seus nomes pulam na tela como se estivessem sendo apresentados em um gibi (ou em uma série ruim), enquanto enfrentam um vilão ao sul da fronteira em um prólogo que te joga de cabeça dentro da ação e do ritmo que dominarão o resto do filme.

É com esse respeito à “mítica” criada pela série que Carnahan pula oito anos no futuro, onde os quatro agora trabalham como uma espécie de unidade especial do exército (“Alfa”, daí o “A” do título original) no oriente médio e caem em uma armadilha, acabando presos injustamente e prometendo vingança a quem tenha feito aquilo. A “desculpa” que move a trama é uma mala de chapas de impressão para dólar, mas o grande propósito é criar uma aventura alucinante.

Esquadrão Classe A vai com certeza desrespeitar o discernimento entre possível e impossível do espectador, e muita gente vai reclamar disso (que filme de ação não o faz?), mas, muito mais importante, vai levar, quem conseguir relaxar na cadeira, a uma viagem descompromissada e divertida. Quem não se incomodar com um tanque caindo amarrado a alguns pára-quedas enquanto dentro dele os quatro se divertem com a situação e atiram em aviões com uma metralhadora (pelo lado de fora) “guiando” (e retardando) sua queda com tiros de canhão, vai se divertir muito com o filme. Mas não só por essa “irrealidade” mas, mais ainda, pelo modo como ela é colocada dentro da trama, fluindo perfeitamente em conjunto com o resto.

E do mesmo modo que na série o grande chamariz de cada episodia era uma plano mirabolante, aqui isso acontece mais natural ainda, já que uma montagem hábil (e um roteiro muito bem amarradinho) permite que todo “blábláblá” da preparação aconteça junto com a ação (coisa que não é nenhuma novidade, mas ainda assim agrada e segura o ritmo), guardando sempre um reviravolta no final do plano, aquela surpresinha que fará o espectador abrir um sorriso e ganhará sua simpatia. Cabe ao roteiro ainda preencher a parte “chata” do filme com uma conspiração e uma ex-namorado do “Cara-de-Pau” (vivida pela muito mais bonita que competente Jessical Biel),isso, além de ser interessante ver o quanto ele (roteiro) se esforça para colocar o time de heróis contra as autoridades (como sempre foi), primeiro com policiais mexicanos, depois com uma outra unidade do exercito (esses maus), e por fim, com uma CIA um pouco caricata demais.

É lógico que Esquadrão Classe A não é perfeito, pecando em alguns momento óbvios e uma reviravolta pouco (ou nada) surpreendente, lidando ainda extremamente mal com sua fotográfica noturna, escura demais e até difícil de entender o que se está vendo (principalmente na sequencia no Iraque que envolve um comboio), além de contar demais com a boa vontade do espectador em aceitar o que esta vendo (mesmo que perfeitamente amarrado), o que deve tirar algumas pessoas do clima e fazê-las ficar o resto filme enxergando “mentiras” do roteiro. Mas tudo isso pode passar despercebido e fazer de Esquadrão Classe A um dos bons filmes de ação do ano.

Para quem é fã, não se preocupe, já que provavelmente tudo aquilo que você amava ver na TV estará na tela. Em um “begins” que conta as origens, mas parece bem preocupado com tudo que já foi feito, preparando para uma sequencia (ainda mais com o pouco investimento em elenco, meio desconhecido mas que se porta muito bem e que facilita o retorno dos quatro) e ainda recebendo alguma visitas ilustres depois dos créditos finais.


The A team (EUA 2010), escrito por Joe carnahan, Brian Bloom e Skip Wood, a partir da série de Frank Lupo e Stephen J. Cannell, dirigido por Joe Carnahan, com Liam Neeson, Bradley Cooper, Jessica Biel, Quinton “Rampage” Jackson, Patrick Wilson. Brian Bloom e Sharlto Copley.


Outros artigos interessantes:

3 Respostas

  1. » Liam Neeson

    […] bandidos” ainda o colocou em rota com o diretor Joe Carnahan, onde estrelou o remake agitado de Esquadrão Classe A e um anos depois, em 2011, enfrentou até a última gota de sangue uma alcateia de lobos famintos […]

    Responder
  2. angelo tedeschi

    Ganhei ingressos para ir ao filme da própria Fox Filmes (Esquadrão Classe A) enviados pelo correio em 29/06/2010… até agora nada do filme ou passou tão rápido pelas salas de exibição que nem pude notar? por favor, me ajudem! Valeu

    Responder
    • Vinicius Carlos Vieira

      daqui a pouco o filme sai dos cinemas, se bem que na maioria dos lugares já deve ter saído… entra em contato com eles antes que seja tarde demais…
      e volte sempre

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.