Para as mulheres no cinema, o ano já começou ilustrando como é difícil para elas se destacarem na indústria: apesar de ser uma forte presença em todas as premiações que antecedem o Oscar, Selma, a cinebiografia de Martin Luther King dirigida por Ava DuVernay (que liderou nossa retrospectiva 2014), foi indicada a apenas duas categorias no prêmio da Academia: Melhor Filme e Melhor Canção Original.

É claro que a presença da obra entre os indicados a Melhor Filme – lista dominada por protagonistas brancos e, sem exceção, homens – é importante. Mas a exclusão de DuVernay entre os indicados a Melhor Diretor, que teria feito da cineasta a primeira mulher negra e apenas a quarta mulher indicada, é representativa da dificuldade que mulheres talentosíssimas tem de se destacarem em meio a homens que, muitas vezes, estão longe de representar o melhor que o cinema pode oferecer.

DuVernay não foi a única ignorada: a única mulher a aparecer fora das categorias de atrizes é Laura Poitras, cujo Citizenfour foi indicado como melhor documentário.

Assim, para dar às diretoras o espaço que elas merecem, selecionamos alguns dos títulos dirigidos ou co-dirigidos por mulheres que serão lançados em 2015. Vale destacar que alguns destes filmes são produções independentes e, como os cinéfilos brasileiros sabem, provavelmente não chegaram às salas este ano – se chegarem. Além disso, estes não são, obviamente, todos os filmes que se encaixam no critério, mas apenas alguns dos que se destacam.

Bons filmes!

PARA VER NA TELONA
(Filmes com mulheres na direção que já tem data marcada para estrear nos cinemas brasileiros. Listados em ordem de estreia, do mais próximo para o mais distante):

Invencível 
Dirigido por Angelina Jolie
Estreia: 15 de janeiro

Cinema sem Y: Invencível

Já em cartaz no Brasil, o segundo longa-metragem dirigido por Angelina Jolie conta a história do corredor Louis Zamperini que, durante a Segunda Guerra Mundial, sofre um acidente de avião e é resgatado do mar por um navio japonês. Como diretora, Jolie demonstra seu talento e potencial, principalmente, uma grande paixão e interesse pelas histórias que escolhe contar – o que tem tudo para, um dia, fazer dela uma grande cineasta.

Selma
Dirigido por Ava DuVernay
Estreia: 05 de fevereiro

O drama acompanha o ativista negro Martin Luther King Jr. (interpretado por David Oyelowo que, em um ano em que todos os indicados nas categorias de atuação do Oscar são brancos, também foi ignorado pela premiação) na luta pelo direito ao voto dos negros, culminando nas históricas Marchas de Selma a Montgomery, no Alabama, em 1965.

Leia mais sobre a importância do filme de DuVernay em nossa retrospectiva 2014.

O Destino de Júpiter
Escrito e dirigido por Lana Wachowski e Andy Wachowski
Estreia: 05 de fevereiro

Estrelado por Mila Kunis, Channing Tatum e Eddie Redmayne, a nova ficção científica dos Irmãos Wachowski traz Kunis como protagonista – o que é sempre bem vindo no gênero. O longa acompanha Jupiter Jones, uma mulher comum que trabalha como faxineira e, inesperadamente, descobre que está destinada a realizar grandes feitos: ela faz parte de uma antiga e poderosa linhagem e é a sucessora a Rainha do Universo.

Cinquenta Tons de Cinza
Dirigido por Sam Taylor-Johnson
Estreia: 12 de fevereiro

Cinema sem Y: Cinquenta Tons de Cinza

Por melhor que seja ver um filme baseado em um bestseller escrito por uma mulher que é escrito, dirigido e protagonizado por outras mulheres, Cinquenta Tons de Cinza não tem muita defesa: a história é uma fanfiction de Crepúsculo que teve os nomes de Bella, Edward e demais personagens modificados para publicação e que se tornou fenômeno de vendas com seu soft porn que confunde sadomasoquismo com abuso. Enquanto a protagonista Anastasia Steele é uma jovem incrivelmente inocente e estúpida (uma universitária que… não sabe mandar e-mails?), Christian Grey é o oposto do parceiro ideal – apesar de rico e atraente, Grey manipula a “amada”, com quem forma um relacionamento desfuncional e abusivo. Mas, como está fadado a ser um dos maiores sucessos dirigidos por uma mulher do ano e com estreia próxima, incluimos o filme em nossa lista.

McFarlanda, USA
Dirigido por Niki Caro
Estreia: 16 de abril

Estrelado por Kevin Costner, o drama da Disney é a nova produção da diretora de Encantadora de Baleias e Terra Fria. McFarland, USA acompanha um treinador de uma pequena cidade californiana que aceita o desafio de transformar uma equipe de jovens esportistas em campeões.

BRASILEIRAS NA DIREÇÃO
(Filmes nacionais dirigidos por mulheres que devem ser lançados este ano)

Depois da Chuva
Dirigido por Marília Hughes e Cláudio Marques
Estreia: 15 de janeiro

Cinema sem Y Depois da Chuva

O longa baiano é ambientado no final de 1984, durante os últimos meses da ditadura militar. Enquanto a população comemorava o retorno próximo às eleições diretoras e à democracia, parte da sociedade desconfiava dos candidatos. Nesse contexto, os jovens baianos lidam ainda com o final da adolescência e com as descobertas da idade.

Ponte Aérea
Dirigido por Júlia Rezende
Estreia: 26 de março

A comédia romântica estrelada por Letícia Colin e Caio Blat acompanha uma publicitária paulistana e um artista plástico carioca que se conhecem durante um voo Rio-São Paulo e rapidamente formam uma forte conexão. O casal, assim, faz de tudo para construir um relacionamento mesmo com a distância.

Meu Passado me Condena 2
Dirigido por Júlia Rezende
Estreia: 25 de junho

No filme original, Fábio e Miá resolvem se casar depois de apenas um mês de namoro, com direito a uma lua de mel em alto-mar – repleta, claro, de confusões e reviravoltas. Agora, o casal tem que lidar com o retorno à rotina e com suas diferenças, pouco percebidas no início do relacionamento. Ambos os filmes são baseados na série televisiva homônima criada por Tati Bernardi.

Meu Pequeno Dicionário Amoroso 2
Dirigido por Sandra Werneck e Mauro Farias
Estreia: 10 de agosto

A produção trará Fernanda Vasconscellos como Alice, filha de Luiza (Andréa Beltrão) e Gabriel (Daniel Dantas), protagonistas do longa original de 1997. Ambientado 16 anos depois do primeiro filme, Pequeno Dicionário Amoroso 2 terá Alice como uma jovem bissexual bem resolvida com sua sexualidade. Enquanto isso, Luiza está casada e tem um filho com Alex e Gabriel namora Jaqueline, uma mulher mais nova. O relacionamento dos dois, porém, será reacendido após um inesperado encontro.

OUTROS LANÇAMENTOS
(Produções independentes ou “menores” que, provavelmente demorarão a chegar no Brasil e não alcançarão muitas salas – ou mesmo nem serem lançados por aqui. Mas vale a pena ficar de olho para conseguir assistir a estes filmes. A lista inclui, também, filmes que ainda não tem data de estreia nos cinemas brasileiros)

O Segredo das Águas
Dirigido por Naomi Kawase
Estreia: 15 de janeiro

Cinema sem Y Segredo das Águas

O longa japonês é ambientado na ilha Amami Oshima, no Japão. Lá, certa noite, um jovem de 16 anos encontra um cadáver flutuando no mar e, ao lado de sua namorada, busca descobrir o que está por trás do mistério. No percurso, o casal fará descobertas sobre vida, amor e morte. A obra fez parte do Festival de São Paulo e de sua Cobertura Itinerância e tem crítica no CinemAqui.

88
Dirigido por April Mullen
Estreia: 6 de janeiro (nos EUA)

Protagonizado por Katharine Isabelle – atriz muito conhecida pelos fãs de filmes de terror e que sempre procura interpretar personagens complexas em filmes com mensagens feministas -, 88 também tem Christopher Lloyd no elenco e acompanha Isabelle como Gwen, uma jovem mulher que, certo dia, encontra-se em um restaurante de beira de estrada sem ideia de quem é ou de como chegou lá. Dividida e confusa, ela embarca em uma jornada para tentar descobrir o responsável pela morte de seu namorado.

Appropriate Behavior
Escrito e dirigido por Desiree Akhavan
Estreia: 16 de janeiro (nos EUA)

Desiree Akhavan estreia como diretora e roteirista de longas-metragens na comédia que acompanha a jovem Shirin, uma norte-americana descendente de persas vivendo no Brooklyn que tenta reconstruir sua vida após terminar com a namorada. Em meio ao coração partido, Shirin faz o possível para ser uma boa filha persa, uma bissexual ativista e “politicamente correta” e uma jovem comum em Nova York.

Song One
Escrito e dirigido por Kate Barker-Froyland
Estreia: 23 de janeiro (nos EUA)

Acompanha a personagem de Anne Hathaway enquanto ela se apaixona por seu músico preferido, vivido por Johnny Flynn. Primeiro longa-metragem de Kate Barker-Froyland.

A Escolha Perfeita 2
Dirigido por Elizabeth Banks
Estreia: 15 de maio (nos EUA)

A atriz Elizabeth Banks faz sua estreia na direção na continuação do sucesso surpresa de 2012 – que não chegou a ser exibido nos cinemas brasileiros e, portanto, o destino da sequência por aqui é incerto. Além do retorno do elenco original – que inclui Anna Kendrick, Rebel Wilson, Brittany Snow e Anna Camp -, a produção traz também Hailee Steinfeld em um papel de destaque.

The Intern
Dirigido por Nancy Meyers
Estreia: 25 de setembro (nos EUA)

A comédia traz Anne Hathaway como Jules Ostin, fundadora de uma companhia de moda baseada no comércio online que, ao aceitar realizar um programa comunitário, contrata um senhor vivido por Robert De Niro para um estágio na empresa. Meyers escreveu e dirigiu comédias românticas e comédias como Operação Cupido, Alguém tem que Ceder e O Amor Não Tira Férias.

The Voices
Dirigido por Marjane Satrapi
Estreia: 6 de fevereiro (nos EUA)

Cinema sem Y Voices

Novo longa da iraniana Marjane Satrapi, diretora do fantástico Persépolis, a comédia de humor negro com Ryan Reynolds, Gemma Arterton e Anna Kendrick no elenco acompanha um homem que, depois de se apaixonar e construir um relacionamento com sua colega de trabalho,vê o namoro tomar um rumo inesperado – e o protagonista, em busca de salvação, será orientado por um gato falante maldoso e por um gentil cachorro falante.

Suffragette
Dirigido por Sarah Gavron
Estreia: 11 de setembro (no Reino Unido)

Escrito pela co-roteirista de Shame e roteirista da excelente série britânica The Hour – cuja protagonista é uma das melhores personagens femininas da televisão recente -, Suffragette acompanha as ativistas que dera, início ao movimento feminista, enfrentando a fúria do Estado britânico. O elenco reúne Romola Garai, Carey Mulligan, Helena Bonham Carter, Meryl Streep e Ben Whishaw.

Madame Bovary
Dirigido por Sophie Barthes
Sem previsão de estreia

Adaptação do clássico de Gustave Flaubert, Madame Bovary traz Mia Wasikowka como a personagem-título em um estudo das possibilidades e limites das mulheres em um tempo não tão distante. Escrito por um homem mas lidando com uma personagem intrigante e com assuntos próximos às mulheres, será interessante ver como Sophie Barthes lida com a história.

Mat Shelley´s Monster
Dirigido por Coky Giedroyc
Sem previsão de estreia

O longa acompanhará a Mary Shelley vivida por Sophie Turner (a Sansa Stark de Game of Thrones) durante o processo de escrita de Frankenstein, livro considerado a primeira ficção científica da história. Em um tempo em que mulheres ainda eram consideradas criaturas delicadas, frágeis e destinadas a desmaios e suspiros diante de qualquer perturbação, Shelley mostrou que a mente feminina é tão – ou mais – capaz que a dos homens de criar e descrever horrores, medos e ambições.

Outros artigos interessantes:

Sobre o autor

Mariana González é jornalista e colaboradora do CinemAqui desde 2013. Além de escrever sobre cinema, tenta se aventurar atrás das câmeras. No Twitter, pode ser encontrada no @mariszalez.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.