A Terceira Esposa | Falha ao tentar ser épico

A Terceira Esposa Filme

A Terceira Esposa é um épico vietnamita que se passa há muito tempo, no século XIV, e que, portanto, está entregue às regras sociais da época. No entanto, a diretora vietnamita Ash Mayfair quer nos mostrar uma crítica social contemporânea e se confunde toda com as linhas de história de todas suas personagens. Não dá pra saber muito o que ela quer dizer com tudo isso, mas dá pra entender que falhou graciosamente.

Iniciando com a vinda da terceira esposa do título, uma garota de 14 anos, e a concretização de seu casamento com seu mestre (já dá pra imaginar qual é), o filme repete uma lenda (na legenda diz fatos reais) sobre uma família só de mulheres e que precisa urgente de um primogênito para que ela se considere bem-sucedida. Duas esposas engravidam e uma das filhas, a menorzinha, possui uma ambição muito maior que seu tamanho: se tornar homem quando crescer (bonitinha e pertinente).

Este é um épico no sentido literal da palavra, então espere trilha sonora folclórica com longas cenas lentas de dar sono. Isso vai piorando do meio para o final em inescapáveis bocejos que surgem enquanto vamos tentando nos lembrar da história para juntar com seu desfecho e tirar alguma moral disso tudo. Mas as cenas se misturam muito e há muitos personagens em foco para prestarmos atenção em algum deles. Há duas histórias de amor, duas mortes, dois casamentos e muita cerimônia em torno disso tudo.

A Terceira Esposa

Você provavelmente não vai encontrar nenhum momento marcante nos longos minutos da história. Ela é baseada em eventos reais e parecem ser eventos que demoraram um século para acontecer (e para projetar na tela do cinema). Onde supostamente há algum comentário social ele é tão sutil e tão deslocado no tempo que não gera o efeito desejado. Para quem entende que naquela época é assim que as coisas funcionavam não faz sentido ver um jovem reclamando que essas regras que todos seguem e onde todos estão inseridos não fazem sentido. Tire sua própria conclusão do espírito do tempo para ver.

Tentando abraçar a sociedade vietnamita inteira com um evento secular no espaço de uma pequena vila, A Terceira Esposa é seleção na Mostra de São Paulo talvez pelo engajamento contemporâneo, o que é um contrassenso. O único engajamento possível nos seus últimos minutos é com um bom momento de sono.

Esse texto faz parte da cobertura da 42° Mostra Internacional de Cinema de São Paulo


“The Third Wife” (VN, 2018), escrito e dirigido por Ash Mayfair, com Long Le Vu, Mai Thu Huong Maya, Nguyen Phuong Tra My.


Trailer – A Terceira Esposa

Outros artigos interessantes:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *