A Economia do Amor, trocadilhos à parte, é também um filme econômico em sua produção. Quando a arte encontra os benefícios da crise europeia, tanto no assunto quanto no orçamento.

Aliás, os filmes franceses atualmente parecem estar centrados na questão das finanças das famílias, no desemprego e no valor humano. Este fala sobre o processo de separação de um casal, paralisado momentaneamente por falta de dinheiro, talvez a mesma falta de dinheiro que iniciou o declínio da relação.

Pais de duas filhas, ambos continuam compartilhando o mesmo teto, embora sob as regras de convívio cada vez mais rígidas de Marie. Assim compartilham também, aqui e ali, algumas das tarefas e dos rituais de ter filhos pequenos.

A câmera de Joachim Lafosse percorre os cômodos da casa quase sempre centrado em seu núcleo. Seu olhar gira de encontro ao interesse do momento. Às vezes é o pai em seu escritório/quarto, às vezes é a mãe sonolenta na sua cama, às vezes os quatro na mesa da cozinha ou do jardim. Um economia tão grande em cada movimento que vemos apenas a mesa do jardim do lado de dentro da casa durante a rotina diária.

O filme está particularmente interessado nas ações e reações do casal que ainda têm esperança de voltar, mas que acaba sempre discutindo a respeito da divisão da casa e das mágoas (geralmente financeiras) do passado.

Marie é interpretada com consistência e sutileza por Bérénice Bejo como a parte responsável e racional, o que a torna na maioria das vezes a chata com as filhas. Ela mantém uma feição dura, resoluta, como se tivesse que manter uma decisão pensada por muito tempo e que foi construída por um ressentimento pelo marido que hoje o torna um fardo e alguém que não ajuda a seguir adiante. Marie não é uma megera simplesmente. As nuances criadas por Bejo (e os quatro roteiristas do filme) a tornam uma personagem honesta consigo mesma, mas que não consegue levar adiante a mentira do “amor supera tudo”, embora sua mãe viúva, com muita propriedade, lamente para a filha que a geração de hoje em dia prefere jogar fora as coisas do que consertá-las (e isso inclui, claro, as próprias relações).

A Economia do Amor Crítica

Já seu marido, Boris (interpretado por Cédric Kahn de uma maneira sobrenaturalmente natural) é o que mais acredita na reconciliação, o que é compreensível: é o lado mais emocional do casal. Atualmente desempregado, seus movimentos lentos e sua forma de se apoderar dos limites de sua mulher não facilitam a relação. Insistindo que contribuiu muito mais pela família para receber uma porção menor da divisão da casa, seja pelo seu trabalho em reformá-la ou pelo carinho e cuidados de um pai que era aparentemente presente nas relações com as filhas. Boris, apesar de ser amável com as filhas e a mulher, parece carregar o fardo nas costas de não conseguir controlar os outros lados de sua personalidade – como as finanças – e sofrer não apenas com a ameaça física de seus cobradores, mas com o fato de que isso o levou à eminente separação de sua família. E embora ele tente de todas as formas retornar à normalidade, enxergamos em seus olhos e seu jeito curvado que este desistiu de confrontar a realidade.

Interessante como estudo de personagens, mas mais interessante ainda como estudo da geração atual europeia, A Economia do Amor fornece combustível para analisarmos as complexas mudanças em sua sociedade que está aprendendo a duras penas que as crises econômicas atingem em cheio o coração de famílias felizes do jeito que eram. O choro de Marie durante um dos poucos momentos felizes no filme demonstra a perda tanto da inocência quanto da possibilidade de retorno à normalidade.


“L’économie du couple” (Fra/Bel, 2016), escrito por Fanny Burdino, Joachim Lafosse e Mazarine Pingeot, dirigido por Joachim Lafosse, com Bérénice Bejo, Cédric Kahn, Marthe Keller, Jade Soentjens, Margaux Soentjens


Trailer – A Economia do Amor

Outros artigos interessantes:

Sobre o autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.